quinta-feira, setembro 28, 2006

Sinto-me...

terrivelmente frustrado!
Passei toda a semana a tentar apresentar-me e ... chego à conclusão que ninguém me quer conhecer!
O idiota que inventou as praxes era tonto, transformista fracassado, frouxo (no sentido que teria dificuldades em ter uma erecção), cobarde e prepotente. Infelizmente deixou inúmeros discípulos.

As criancinhas na tropa!!!

O Vereador Ramalho diz que existe uma conspiração socialista para impedir que os alunos do ensino básico fiquem na cidade; diz-nos que a ida para o RIB apenas se verificou porque o IPB e a Escola Diogo Gouveia fecharam as portas.
O Presidente Francisco diz que a CMB nunca pediu alojamento a estas entidades.
Moral da história: os jornalistas confundem tudo!

Requerimento (Aí se a moda pega!!!)

Exmo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Marco de Canaveses

Joaquim Manuel Coutinho Ribeiro, eleitor nº 6 da freguesia de Soalhães, vem expor e requerer a V. Excia o seguinte:
1. Na reunião da Assembleia Municipal do passado dia 29, ouvi V. afirmar que, a partir desta semana, iria passar a dispor de um Audi A6.
2. E percebi, das suas palavras, que não se tratava de um acto de vaidade pessoal, mas uma forma de melhorar a imagem do município, pois que a viatura estaria ao serviço do município e não do seu presidente.
3. Reflectindo sobre o assunto, lembrei-me de que o Audi do município poderá resolver-me um problema logístico que tenho em mãos.
4. No próximo dia 13, é o casamento da minha prima Ester (jovem médica) com o David (jovem médico).
5. Pediu-me a minha prima que a transportasse à Igreja, ao que eu anuí.
6. Lembrei-me, depois, que o meu carro só tem duas portas o que, convenhamos, não é muito operacional para o efeito, sobretudo para entradas e saídas, já que o vestido poderá ficar agarrado e eventualmente rasgar-se.
7. Foi desta forma que me lembrei que, sendo eu munícipe do Marco, e estando o Audi ao serviço do município, seria um acto da maior justiça que eu pudesse transportar a minha prima ao casamento no A6.
8. Ainda pensei que talvez pudesse requerer a utilização do jeep Toyota, mas temo que os convidados possam gozar a noiva por se deslocar em em tal veículo.
9. Opto, pois, pelo Audi, com a promessa de que o entregarei lavado e com o combustível reposto.
10. Dispenso o motorista.
Face ao exposto, requeiro a V. Excia se digne emprestar o A6 para utilização deste modesto munícipe no próximo dia 13, durante todo o dia.
Pede deferimento
Joaquim Manuel Coutinho Ribeiro
(roubamos aqui)
Devia mudar o nome deste blogue, pra blogue do coxo!!!
Que treta!

quarta-feira, setembro 27, 2006

Quem é o meu papá?

Pedofilia

Cada vez estou mais convencido que este é um país de pedófilos.
Para onde quer que olhe, cada vez vejo mais os grandes e poderosos a foder os pequenos e frágeis.

Já pensaste nisso...

Eu sei que roubar nem sempre é bonito... mas há coisas que não resistimos.
Sim... vou roubar um post.. um post de merda!!!
" Lisboa, 15h30m
Tenho um pequeno mal-estar causado por uma cólica intestinal, mas nada que uma urinada e uma cagada não aliviasse. Mas, atrasado para apanhar o autocarro que me levaria para o aeroporto, do outro lado da cidade, de onde partiria o voo para Estocolmo, resolvi segurar as pontas, "afinal de contas, são só uns 15 minutos de viagem.
Chegando lá, tenho tempo de sobra para dar uma mija tranquilo". O avião só sairia as 16h30m. Entrando no autocarro, sem sanitários, senti a primeira contracção e tomei consciência de que a minha gravidez fecal chegara ao nono mês e que faria um parto de cócoras assim que entrasse no wc do aeroporto. Virei-me para o meu amigo que me acompanhava e, subtilmente, disse-lhe: "Fogo, mal posso esperar para chegar na merda do aeroporto porque preciso largar a farinheira." Nesse momento, senti o cagalhão a alargar-me a brodas do cú, beliscando as minhas cuecas, mas pus a força de vontade a trabalhar e segurei a onda. O autocarro nem tinha começado a andar quando para meu desespero, uma voz disse pelo altifalante: "Senhoras e senhores, devido ao muito trânsito, a nossa viagem até aoaeroporto levará cerca de 1 hora".
Aí o cagalhão ficou maluco querendo sair a qualquer custo! Fiz um esforço hercúleo para segurar o comboio de merda que estava para chegar na estação anus a qualquer momento. Suava em bicas. O meu amigo percebeu e, como bom amigo que era, aproveitou para gozar comigo. O alívio provisório veio em forma de bolhas estomacais indicando que, pelo menos por enquanto, as coisas tinham-se acomodado por ali. uma onda de frescura rectal inundou o autocarro. Tentava-me distrair vendo a paisagem mas só conseguia pensar numa casa de banho, não numa igual à dos sanitários públicos, mas uma com uma sanita, tão branca e tão limpa que alguém poderia pôr o seu almoço nela. E o papel higiénico então: era branco e macio e com textura e perfume e...oops! Senti um volume almofadado entre o meu traseiro e o assento do autocarro e percebi consternado que havia cagado. Um cocó sólido e comprido daqueles que dão orgulho de pai ao seu autor. Daqueles que dá vontade de ligar para os amigos e parentes e convidá-los a apreciar, na sanita, tão perfeita obra: daria até para a expor no CCB!
Mas, sem dúvida, não neste caso. Olhei para o meu amigo, procurando um pouco de solidariedade, e confessei-lhe de modo muito sério: "Olha, caguei- me."
Quando o meu amigo parou de rir, uns cinco minutos depois, aconselhou-me a ficar no centro da cidade, escala que o autocarro faria pelo meio da viagem, e que me limpasse em algum lugar. Mas resolvi que ia seguir viagem, pois agora estava tudo sob controlo. "Que se lixe, limpo-me no aeroporto," - pensei - "pior do que como estou não fico". Mal o autocarro entrou em movimento, a cólica recomeçou forte. Arregalei os olhos, segurei-me na cadeira, mas não pude evitar, e sem muita cerimónia ou anunciação, veio a segunda leva de merda. Desta vez como uma pasta morna. Foi merda para tudo que é lado, borrando, esquentando e lambuzando o cu, cuecas, barra da camisa, pernas, calças, meias e pés. Logo a seguir, mais uma cólica anunciando mais merda, agora líquida, das que queimam o fofo do freguês ao sair rumo à liberdade.E, no instante seguinte, um peido tipo bufa, que eu nem tentei segurar...afinal de contas o que era um peidinho para quem já estava todo cagado. Já o peido seguinte foi do tipo que pesa e eu caguei-me pela quarta vez.Lembrei-me de um amigo que, certa vez, estava com tanta caganeira que resolveu pôr um penso higiénico nas cuecas, mas colocou-o com as linhas adesivas viradas para cima e, quando quis tirá-lo, levou metade dos pêlos do rabo junto.Mas era tarde demais para tal artifício absorvente. Tinha menstruado tanta merda que nem uma bomba de cisterna poderia ajudar-me a limpar a sujeira. Finalmente cheguei ao aeroporto e, saindo apressado com passos curtinhos, supliquei ao meu amigo que apanhasse a minha mala na bagageira do autocarro e a levasse aos sanitários do aeroporto para que eu pudesse trocar de roupas. Corri para a casa de banho e entrando de porta em porta, constatei a falta de papel higiénico em todas as cinco portas.Olhei para cima e blasfemei: "Agora chega, Pá?!" Entrei na última porta, mesmo sem papel, e tirei a roupa toda para analisar a minha situação (que conclui como sendo o fundo do poço) e esperar pela mala da salvação, com roupas limpinhas e cheirosas e com ela uma lufada de dignidade no meu dia. Entretanto, o meu amigo entrou na casa de banho cheio de pressa... já tinha feito o "check- in" e disse-me que tinha que irdepressa avisar o voo para esperarem por nós.
Mandou por cima da porta o cartão de embarque e a minha maleta de mão e saiu antes de qualquer protesto de minha parte. Ele tinha-se enganado na mala que eu aguardava e já tinha despachado a mala com roupas. Na mala de mão só tinha um pullover de lã com gola em bico. A temperatura em Lisboa nesta altura era de aproximadamente 37 graus. Desesperado, comecei a analisar quais das minhas roupas seriam, de algum modo, aproveitáveis. As minhas cuecas, mandei- as para o lixo. A camisa era história. As calças estavam deploráveis, assim como as minhas meias, que mudaram de cor tingidas pela merda. Aos meus sapatos dava-lhes nota 3, numa escala de 1 a 10. Teria que improvisar.
A invenção é filha da necessidade, então transformei uma simples casa de banho pública numa magnífica máquina de lavar. Virei as calças do lado avesso, segurei-a pela barra, e mergulhei a parte atingida na água.Comecei a dar ao autoclismo até que o grosso da merda se desprendeu. Estava pronto para embarcar.Saí do banheiro e atravessei o aeroporto em direcção ao portão de embarque trajando sapatos sem meias, calças vestidas do avesso e molhadas da cintura até ao joelho (não exactamente limpas) e o pullover de gola em bico sem camisa. Mas caminhava com a dignidade de um lorde.Embarquei no avião, onde todos os passageiros estavam à espera do "rapaz que estava na casa de banho" e atravessei todo o corredor até ao meu assento ao lado do meu amigo que sorria.A hospedeira aproximou-se e perguntou-me se precisava de algo.Eu cheguei a pensar em pedir uma gilette para cortar os pulsos ou 130 toalhinhas perfumadas para disfarçar o cheiro de fossa transbordante, mas decidi não as pedir... e respondi-lhe com uma esforçada cara angélica:
"Nada, obrigado... eu só queria mesmo era esquecer este dia de MERDA!"Até na dor e na vergonha é preciso ter estilo."
Roubei aqui

Vende-se...


No outro dia, na telefonia, falava-se de desertificação, palavrão criado pela globalização para tentar descrever o êxodo populacional. Em concreto, procurava pensar-se no fenómeno ao nível regional.
Sem indagar culpados, porque nestes fenómenos a culpa é sempre colectiva, seja por acção seja por inacção, importa tentar compreender o que se pode fazer para que o processo não seja irrevogável.
Obviamente que desde logo, devemos exigir “vontades” ao poder central; e os últimos tempos, não auguram nada de bom. Oferece-se o exemplo da OTA; existindo a possibilidade de o Estado investir nos 3 aeroportos continentais e criar três ou quatro aeroportos satélites, desenvolvendo outras regiões, a opção pelo projecto faraónico mata um impressionante potencial de desenvolvimento.

Mas centremo-nos na região: é possível o poder regional e a sociedade civil bejense (ehehehehe) fazer algo para contrariar este triste fado?
Obviamente que sim; que mais não seja, exercer activamente o direito à indignação. Oferecemos exemplos:
- é inaceitável que aceitemos sem protestar que TODOS os serviços públicos estejam a emigrar para Évora;
- é inaceitável que aceitemos que o estágio da Selecção tenha emigrado para Évora, reconstruindo um Estádio, quando o de Beja tinha condições (para não falar em todas as excepcionais estruturas desportivas criadas para 2004: é a prova provada de um despesismo irresponsável);
- é inaceitável que aceitemos sem nos indignarmos que a maior empresa de capitais públicos com sede em Beja não tenha um único administrador de Beja e tenha três de Évora;
- é inaceitável que aceitemos pacientemente ao desfiar do Instituto Politécnico de Beja:
- é inaceitável que aceitemos sem “dar um murro na mesa” que as habitações em Beja sejam das mais caras do país, afastando residentes;
- é inaceitável que aceitemos sem contestar aquela coisa que chamam Parque Industrial;
- é inaceitável que aceitemos sem nos insurgirmos que os políticos regionais passem o tempo em tricas estéreis, sem se reúnem em prol das legitimas aspirações dos baixo alentejanos.
Por tudo, no dia em que na entrada de Beja aparecer uma placa com os dizeres: “Vende-se a qualquer preço”, só nos podemos queixar de nós próprios; sim, é verdade, temos aquilo que merecemos...

terça-feira, setembro 26, 2006

Tiroteio em Beja - Parte II

Ontem à noite houve mais um tiroteio em Beja; desta vez o local do crime não foi à porta de um qualquer bar da cidade, mas na respeitadíssima Biblioteca Municipal. Os meliantes, não seres não identificados de uma qualquer incógnita tribo, mas honradíssimos mandatários regionais. A noticia anda na IMPRENSA regional, mormente Rádio Pax, Rádio Voz da Planície e Praça da Republica.
A arma do crime, palavras rudes; o motivo, a vergonhosa situação das crianças na tropa.

Quando este blogue era totalmente anónimo, eu podia escrever, enquanto os partidos discutem, fodem-se a crianças; mas vou ser politicamente correcto e dizer que enquanto existem fricções democráticas os futuros homens da nação não vêem os seus legítimos interesses acautelados.

segunda-feira, setembro 25, 2006

sábado, setembro 23, 2006

Poix... com x

Pergunta-se: das 7 pessoas detidas no Caso dos Dólares falsos, quantas são de Beja? Vinte e seis?!
Haja paciência...
Se as pessoas se preocupassem mais a viver as próprias vidas, que mexerem na vida dos outros, tudo seria tão mais bonito...

sexta-feira, setembro 22, 2006

Editorial...

Os blogues dos meninos grandes descobriram este meu humilde cantinho. E, mesmo sem contadores, por causa dela e dele, percebi que começaram a vir a esta casa!
Agradeço a gentileza deles, mas fiquei meio apreensivo. Gosto de dizer todos os meus disparates aqui, sem pensar que alguém me está a ler.
E como isto é anónimo mas não muito, já sabem quem sou (Dahn... como é que TU podias ter a menor dúvida que isto é meu!!!).
Mas não me vou chatear; vou continuar a escrever todas as minhas parvoices, quando tive vontade e sem me deixar prender a este cantinho.
E faço questão de continuar a brincar, irei voltar a por fotografias da Ana Drago vestida e a deixar as minhas impensadas reflexões para quem se der ao trabalho de as ler!
Eu fico por aqui: V. Exa, façam como entenderem!
PS - como estão a decorrer as aulas na tropa? E porque raio a música, desporto e ingles são opcionais???

Para ler e pensar!

Vale a pena perder uns breves minutos a ler isto!

PS - é bom que outros digam o que há tanto vamos gritando!

quinta-feira, setembro 21, 2006

O prelúdio do fim...

A notícia anda pelas Rádios locais aqui do feudo, mas não tem nada de novo.
O MCES boicotou a construção das novas instalações da Estig; o Estado essa truculenta e sinistra Entidade, voltou a demonstrar a sua falta de carácter e recuo numa decisão que já estava tomado, voltando a provar que não é uma pessoa de bem.

Mas a noticia não parece preocupar ninguém; desde logo a culpa será do IPB (não dirigentes, mas TODOS) sempre incapazes de explicar a sua importancia para a cidade e para a região. E começa a ser tarde.
O Ministro GAGO, que parece ser competente em ciência, não gosta nem tem paciência para o Ensino Superior; mas tem dois sonhos: acabar com o ensino privado, acabar com o Ensino Superior no interior do país.
A aviltante situação da Estig – a quem o MCES recusa instalações alegando que as existentes são suficientes e recusa novos cursos por falta de instalações – é a prova provada das intenções do actual Ministério. Mas… parece que ninguém se importa…

quarta-feira, setembro 20, 2006

Hamenus Procurador

Segundo a Imprensa para aí diz, temos um novo Procurador.
Umas breves palavras sobre Souto Moura. Um brilhante magistrado, um homem sério, honesto integro, trabalhador e dedicado, que ao longo do seu mandato deu o melhor de si!
Mas... o seu melhor foi muito pouco.
O cargo é complexo e não basta vontade. Ainda que seja boa vontade e muito trabalho.
Desde logo, foi desastrosa a sua relação com a Imprensa. O quase ex-PGR nunca percebeu a forma de se relacionar com a comunicação social ou, se a entendeu, nunca conseguiu lidar com a mesma; calou-se quando tinha que falar e disse muito mais do que seria razoável dizer; teve lapsos, teve erros de palmatória!
Um dos mistérios da nossa democracia é a razão porque permanceu até ao fim no cargo!
Souto Moura é um grande homem e um grande magistrado; mas foi um péssimo PGR!

domingo, setembro 17, 2006

Pergunta-se..

Das funções das Câmaras Municipais não faz parte incrementar e apoiar a imprensa regional, mormente pela publicidade?
Porque não estender esse apoio aos blogues?
Por mim.. lanço um repto à minha Câmara Municipal: apoiar o blogue mais representativo da cidade?

sexta-feira, setembro 15, 2006

Regresso à escola - Parte I


Quem me explica porque é que as nossas crianças vão para a "tropa"?

E a talho de foice, que fazer com tanto espaço desaproveitado no RIB?

quinta-feira, setembro 14, 2006

Quase parece que vi,,,

Há dias em que acordo tão distraído em que quase parece vi um policia fardado, num carro da PSP a carregar móveis pessoais. Mas.. claro que foi uma ilusão de óptica!

Os notários e o simplex, num país de gente doida

A notícia: "a Ordem dos Notários vai recomendar aos cartórios, públicos e privados, que recusem “todos os documentos autenticados por advogados e solicitadores”, como por exemplo procurações, escrituras e pactos de sociedades".
A motivação: "Na origem do boicote está o Simplex, o pacote legislativo destinado à desformalização dos actos e que retirou aos notários, entre outras, a competência quase exclusiva para o reconhecimento de assinaturas. Os notários, porém, consideram que “só um oficial público provido de fé pública [...] pode conferir autenticidade a um documento ou emitir um documento autêntico”.
A continuação:
Correio da Manhã.
O problema: o que fazer quando uma Ordem Profissional, no caso de extrema pertinência e com especialissimas competências e atribuições, mormente ao nível do princípio da legalidade, vem publicamente declarar que se recusa a cumprir a Lei?
Sem ingenuidade: o que está em causa é uma luta laboral; os notários vão perder dinheiro, como não querem, anunciam publicamente que não vão cumprir a lei. Quem se arroga de fé pública vem à praça pública desafiar o legislador, ignorar o Estado? O que será deste país se vira moda... Será que se os médicos quiserem aumentos, vão começar a recusar operar pessoas?

quarta-feira, setembro 13, 2006

Felicitações...

Boa sorte para a Ministra da Educação. Bem merece, muito precisa.

Um grito civilizacional

A notícia está aqui e diz: “Os portugueses poderão recusar legalmente submeter-se a tratamentos médicos com vista ao prolongamento da fase terminal de doença ou a manobras de reanimação se o Parlamento aceitar uma proposta a apresentar pela Associação Portuguesa de Bioética (APB), escreve a Agência Lusa.”
Sufragamos profundamente. Intelectualmente defendemos que tal já hoje era possível, mas aplaudimos que exista uma norma específica para aniquilar quaisquer dúvidas.
Somos defensores do Direito à Vida; enquanto tal não abdicamos do direito a morrer com dignidade.

Câmara Municipal de Beja

Porque é que se tanto se diz que o Presidente da Câmara ainda é o Carreira Marques?

terça-feira, setembro 12, 2006

11 de Setembro

O filme da RTP não era novidade; há dois ou três anos que as teorias da conspiração andam por aí.
Não gosto de Bush. Talvez por ter gostado muito de Clinton. Nem sou especial fã dos americanos.
Mas há cinco anos atrás fui americano; e cinco anos depois continuo a ser. E durmo mais descansado por existir o exército americano.
Colocar a possibilidade, ainda que infima ou académica, de conspiração americana no 11/09 é branquear a história, aniquilar a verdade, legitimar o mais cruel e nojento dos terrorrismos.
A 11 de Setembro o mundo ocidental foi atacado, numa guerra suja, numa guerra de culturas: não o querer ver é ajudar a matar a nossa forma de estar na vida!

A Banca no país das crises

segunda-feira, setembro 11, 2006

Como seria um mundo assim?

Porque há coisas que nunca se podem esquecer...

Momentos Intímos...

É quando a vida nos trata mal, nos despreza e humilha, que reparamos nas pequenas coisas. Sábado à noite, no bar do costume, sozinho, fechado no meu canto, observei a alegria das pessoas simples. E invejei-a. Como tudo é mais fácil quando recebemos a vida sem questionar, nos contentamos com o que os outros chamam migalhas, sem estar preso a sucesso profissional, realização intelectual, estúpida corrida pela comodidade material, agarrada a principios de integridade e dignidade. Por um dia, queria apenas viver...

sexta-feira, setembro 08, 2006

Desaparecida!



A história até se pode revelar um logro, o que não me fará mudar a puta de uam vírgula. Uma miuda de 15 anos (aos 15 é uma miuda, não uma jovem ou adolescente) desaparece após encontrar-se com homem (aparentemente de 31) que conheceu num chat (internet).

Quando os país (educadores) vão abrir os olhos para o lado negro da Internet? Quantas mais miudas é preciso que morram e sejam violadas?

Cretinices...

Não gosto de me perder em má língua; gosto de gerar soluções não problemas. Mas há coisas que sou demasiado estúpido para entender…
Mais uma vez, comentasse a possibilidade de encerrar a prisão de Beja; sim, o mesmo estabelecimento prisional que há dois anos sofreu obras estruturantes, uma total renovação sendo, inclusive, considerado como demasiadamente bom para os presos! Agora.. fecha?

Pelo lado positivo; os Bombeiros de Beja vão receber amanhã material de combate aos fogos. Qual a próxima medida? Oferecer calções de banho a crianças no mês de Outubro? Porque não skys para as crianças desfavorecidas da região?

Momento Chill Out

Violência Doméstica: história quase verídica:
O Juiz, durante a audiência, pergunta ao homem:- Diga-me, qual é o motivo porque se quer divorciar da sua mulher?
- A minha mulher trata-me como um cão!
- Maltrata-o, bate-lhe?
- Não, quer que lhe seja fiel...

quinta-feira, setembro 07, 2006

Obélix no país dos doidos - Part II

A notícia anda por aí; os grandes partidos têm pacto secreto para a reforma da justiça!
Não sublinhando o facto que já não há paciência para andarmos de reforma em reforma sem reformar caralho nenhum, apenas junto a minha voz ao repto de muitos: Senhores Boys, Senhoras Bacas, deixem a justiça para quem perceba.
Aliás, deixo um texto para o pacto:
"Os partidos que assinam este pacto obrigam-se a deixar a justiça para os juristas, não se imiscuindo no que não sabem nem percebem"; já chega de voluntarismos imbecis!!!
Concentrem-se em temas realmente importantes como a revisão dos Estatutos que alteram as bases gerais do livro branco para a implementação de medidas excepcionais para a resolução de situações gerais; mas isto... é só uma ideia.
Post Scriptum: andam por aí indignados por o PCP receber terroristas? O PCP? Cuba e a Correia ainda não tinha dado para perceber?

terça-feira, setembro 05, 2006

Obélix no país dos doidos

Não fui eu que inventei. É um facto e vem aqui; em Portugal as creches são mais caras que as Universidades. Depois achamos estranho ter crianças felizes e adultos burros…

Castelo de Beja para Évora, já...

A notícia anda pela imprensa Nacional e Regional; Beja vai perder a ligação directa a Lisboa, via comboio. Para Évora, mas isto é uma redundância… Mais uma vez um altivo Alentejo enraba o Alentejo submisso, que grita no café para ninguém escutar. Pessoalmente desde há anos que construí a teoria de que o Castelo será a próxima conquista de Évora; sempre que por ali me cruzo com técnicos fico sempre com a terrível sensação de que se preparam para transladar o castelo para o centro de Évora.
Conheci bem e gosto muito de Évora; por lá fui muito feliz; algumas vezes, várias vezes por noite… Mas na actual conjuntura, lutar por Beja é uma questão de Justiça e equidade.

segunda-feira, setembro 04, 2006

Bloquices

Imperdível no Praça. Só falta mesmo a foto da Ana Drago vestida.

Sexo à bruta...

Ok. Tenho consciência que é um título tipo 24 horas ou Correio da Manhã. Mas apeteceu-me.
Pessoalmente, não tenho quase nada a favor do sexo com violência. Mas concordo com a Sandra ao indignar-se com esta intolerável tendência dos Estados em imiscuírem-se nas nossas vidas.
Entre adultos e de forma consentida, podem deixar que eu meta a "piroca" onde tiver vontade? Ou amanhã ainda vão regular a forma, tempo, tamanho, onde, quando?
Haja paciência para estes fundamentalistas fanáticos!

Cumplicidades

Tanta coisa aconteceu,.. que nem sei como poderia começar. Nem o poderia aqui escrever; foram quatro dias, que valeram muitas vidas... de uma inusitada intensidade. Milhares de lágrimas sem uma única razão para sorrisos. Nunca me senti tão mal. Nunca me senti tão bem!

Cheira...

a guerra aberta e fratricida. As armas estão empunhadas. Será que a já debilitada Instituição vai aguentar uma guerra na cúpula. Sem saber os pormenores, quem é que se lembrou deste timing!!!

Mitos Urbanos ou o Paradigma da Xenofobia...

Recebi assim; é irresistivel ler este pérola de xenofobia, este tratado dos mitos urbanos.
Como recebi!
"Olá!Gostaria de partilhar convosco alguns episódios que me relataram, que de facto são impressionantes.Há algumas semanas atrás, numa loja de Chineses, em ÁGUEDA: O pai deixou a filha à porta da loja( que de certo tinha alguma compra a fazer nesse estabelecimento), e aguardou por ela no estacionamento dentro do carro. Após bastante tempo de espera, resolveu entrar na loja à procura da sua filha, mas não a conseguia encontrar lá dentro. Questionou alguns funcionários da loja que afirmavam não a terem visto, teimou de tal forma que a filha tinha entrado para a loja, ao ponto de chamar a polícia, os polícias entraram e também não encontravam a jovem, até que por fim chamaram reforço de colegas com cães-polícia que através do seu faro conseguiram detectar a presença da jovem numa zona mais retirada da loja, dentro de um alçapão. A jovem já tinha o corpo marcado perto de alguns órgãos vitais e o destino dela seria: MORTA PARA TRÁFICO DE ÓRGÃOS. Outro caso idêntico aconteceu na loja de Chineses, no RETAIL PARK, em AVEIRO:O marido ficou a fumar um cigarro à porta da loja enquanto que a esposa entrou. Quando o marido após alguns minutos entrou à procura da esposa, também já não a viu. Após procurar por ela, esta também já estava amarrada nas traseiras da loja e o destino dela provavelmente seria o mesmo. Agora, se entrarem numa loja desses filhos da pu....., tenham o cuidado de não irem sozinhos, pois facilita-lhes o trabalho.Isto não é brincadeira, P.F. divulguem ao maior nº de pessoas possível.E agora reflictam comigo: É ESTE O AGRADECIMENTO DOS CHINESES AO ESTADO PORTUGUÊS, por não lhes cobrar impostos durante 5 anos para abertura de lojas.Pu... que os pa..., era mandá-los todos recambiados para a China..."

sábado, setembro 02, 2006

Resposta a um e-mail ignóbil

Recebi estes dias um e-mail de um cidadão a queixar-se do facto de este blogue ser anónimo, não tendo eu coragem para assumir as minhas palavras.
Afastando por instantes o curioso facto desse ser abjecto que me escreveu a ofender-me pela minha cobardia, o ter feito de forma anónima!, deixo-lhe uma resposta, bem ciente que lhe estou a dar mais importância do que o obtuso merece.
O blogue não é anónimo; o blogue é feito e assinado através de um pseudónimo. O que acaba por dar no mesmo, bem sei. Ou talvez não! Mas este é um princípio do qual não abdico. Neste espaço, quero usufruir da liberdade que na vida “real” muitas vezes me é vedado; aqui posso dizer “foda-se”, “puta”, “merda”, “caralho”, “Ana drago”, “broche”, etc.., ou seja, render-me ao livre e despudorado uso do palavrão, a meu bel prazer.
Sobre as outras barbaridades que diz, compreendo-o; gosto de ironia, na minha óptica, a mais cruel forma de humor. Mas com um perigo; a compreensão da ironia, depende da inteligência de quem nos lê: o que não foi o caso (para que não restem duvidas, isto é um eufemismo para lhe chamar tonto, sinónimo de estúpido, percebeu?). Termino, afirmando ainda: não quero que o que aqui deixo escrito seja lido por ser escrito por mim, quero que as palavras sejam lidas pela força das ideias. Dixit

Férias

Faça férias em segurança; fique longe do mar, fique perto de um bar!