quarta-feira, julho 27, 2011

é mesmo o fim do mundo com cuecas fio dental com celulite e pêlos pubianos

Quando um norueguês comete um atentado terrorista na noruega é casa para dizer o que fica dito no título que inicia esta prosa! Porque o norte da europa era o reduto da sanidade! Porque quando tudo ruía na latinolância, tínhamos a referência do norte para não perder o sul! Porque os nórdicos são organizados, trabalhadores, empreendedores, cidadãos exemplares, tudo o que sonhamos um dia poder vir a ser! 
E ninguém me grite que por morrer uma andorinha não acaba a primavera: porque o homicida de oslo não é apenas um maluco isolado, porquanto, basta olhar para o crescimento da extrema-direita em vários países referência, para perceber que algo vai mal no reino da tolerância, que a europa corre para um triste abismo, que em cada precipício se está a dar um passo em frente!

Há coisa de cinco anos comecei um semestre convidando os meus alunos para observarem o que angolanos e brasileiras fazem em portugal, porquanto, no espaço de uma década, era o que os nossos jovens estariam a fazer nos países deles e, como em tantas vezes, aborrece-me ter razão! 
A europa é o continente das ideias perdidas, velho, cansado, amorfo, sem tusa para ter imaginação, contemplando a grandeza de outrora, incapaz de pensar o futuro, subjugado aos números, sem ideias políticas, sem grandeza, sem ideias, depauperando-se, com o passar das datas, incapaz de se reformular, de renascer das cinzas com que se mutilou! E isto são caminhos perigosos, que, em regra, acabam as estúpidas guerras! Nunca como agora foi tão urgente pensar, nunca como agora tanta gente abomina os que tentam pensar... 

porque todas as paixões são ridículas...


Até podia aqui escrever que amanhã não ia ver o meu patético Benfica! Mas é mentira! Porque por mais que tenha vontade de não ver, sei bem, que quando chegar a hora, vou estar religiosamente sentado sobre a televisão para me irritar noventa minutos! Porque todas as verdadeiras paixões são ridiculas e sem explicação, porque o Benfica será o Benfica, porque é como as vaginas, um tipo pode dizer basta, que já chega, que está farto, mas, quando chega o momento, está lá outra vez!
deixei de ser sócio do SLB quando um tal de vale e azevedo ganhou as eleições: senti vergonha do meu Benfica ter um louco perverso como timoneiro; voltei a ser sócio quando ele caiu e agora pondero deixar novamente de o ser! Porque, para mim, ganhar não é tudo! 
Sinto uma mistura de nojo com vergonha por o Benfica amanhã entrar em campo com onze estrangeiros, por, em cerca de trezentos jogadores que foram para estágio apenas esteja o amorim, que tenham entrado dezenas de jogadores cujo nome não sei e desconfio que nunca vou saber, abomino a forma como se tratou o nuno gomes, antes o quim, agora o carlos martins, como se, isto de ser português, seja um trágico defeito! 
Não gosto de atacar o carácter e a honorabilidade de ninguém, mas, é esquisito, para usar um eufemismo, esta suprema necessidade de comprar jogadores por comprar, esta pornografia de se gastar uma obscena quantidade de dinheiro em coxos! 
Amanhã vou ver o meu Benfica, vou obviamente vibrar pela vitória, vou desejar estar enganado, que Jesus volte a ser salvador, mas... isto cheira-me a todo um ano com muitas noites de azia e trombas! 

terça-feira, julho 26, 2011

Portugal é mesmo um estranho país onde por vezes há pessoas que se conseguem rir!

Portugal é realmente um sítio mal frequentado, por estranhas gentes! Com o país a cair de podre, a ruir de dívida, incendiando-se em desesperos, as nossas mentes inquietas e gente pensante discute se o PM disse ou não disse, numa reunião à porta fechada, que o desvio era colossal ou se colossal era o trabalho ou se colossal era o ... algo que rime com trabalho!
É um dos traumas da portugalidade: a total incapacidade para pensar a prazo, esta insuportável paixão pelo acessório, este amor pela inutilidade, que nos leva a gastar horas, meses e semanas a discutir o absurdo! 

Como esta treta do ex-espião ter passado informações para a ongoing! Letras e letras desperdiçadas no papel, quando as coisas são tão simples e óbvios, porquanto, ou fizeram uma vasectomia mental ao cidadão ou ele carregou com ele resmas de informações que desejavam confidenciais! Ou dos pseudo jornalistas que enchem ministérios! Da promiscuidade nojenta entre público e privado! Neste imenso bordel que se tornou portugal!

Não há mais bela coerência que as incoerências!


Aborrecem-me as pessoas certinhas, comportadinhas, tributáveis: gosto de excessos, de quem luta por aquilo que acredita, que tem coragem para dar um murro na mesa, de quem assume rupturas, falhas, defeitos, paixões exacerbadas e erros terríveis! Irrita-me o facto de não fumar há onze meses, porque me enerva esta coisa do higienicamente correcto! Sou absurdamente doido por crianças, mas carrego em mim a frustração de não ser pai! Sou terrivelmente cioso da minha intimidade, mas há 5 anos e uns trocados que alimento diariamente um blogue que convida ao voyeurismo, onde, pasme-se, imensas pessoas estão certas que me conhecem apenas por ler as palavras que aqui vomito! Mesmo sendo um blogue onde não se fala de cães amarelos, na desesperada busca pela trombeta azul, de sindicalistas com falta de pénis no anús, eufemismo para pau nas nalgas, ou de centésima e única pura razão para amar Beja, ou das razões pela qual vou ao modelo, que deixariam de lágrimas tristes o mais empedernido e frígido homicida! 

Não faço ideia quem são os meus leitores de hoje! Se são os de sempre, se alguns se fartaram pelo caminho e foram surgido novos! Sei que nunca como este ano foi tão lido este mal frequentado blogue, mas ignoro quem são! Até porque sempre abominei falar sobre o blogue! Porque sempre me pareceu que era escrito por alguém que não eu ou por eu que já não fui e posso ter sido um dia! Mas tenho esta incoerência coerente de ser viciado neste blogue e não gostar da blogosfera, de nunca ter tido grande paciência para frequentar e comentar blogues! Cheguei aos blogues academicamente através de um artigo jurídico e sempre me fascinou a excelência de usar um blogue para fomentar a cidadania, sempre me repugnou que sejam armas para cobardes anónimos vomitarem ódios e frustrações, que, como diz e bem Sousa Tavares, sejam o ambiente perfeito para o pior da portugalidade, a maledicência canalha dos idiotas! 

segunda-feira, julho 25, 2011

Coisas que um gajo pensa depois de umas conquilhas e peixe grelhado!

Deve ser tenebroso ter dezoito anos! Obviamente que sinto nostalgia dos meus mas ia abominar ter 18 anos outra vez! Excepto para consertar erros do passado e escolher caminhos diferentes, mas, com esta minha atração pelos erros, estou certo, que evitando uns, cometeria outros! 
Claro que há coisas que são hoje bem melhores: nos meus 18 anos se víamos uma labreguinha num bar tínhamos de a imaginar despida e hoje quando se vê uma miúda num bar temos de imaginar como ficará vestida! Dizem-me mesmo que hoje as rameiras vão trabalhar de calças de ganga, unica forma de distingir as profissionais das amadoras! No meu tempo a malta ia para as semanas académicas curtir ao som do Quim Barreiros a cheirar o bacalhau e hoje a malta é mail cool, mais trendy, tem mais glamour e lambem lollipops! Hoje há festivais de verão, pilula do dia seguinte, shot`s, bares na praia com guest list, mas, chamem-me cadelo, mas não trocava pelas noites nos contentores, as bezenas no mota, o pau de canela. a discoteca do neptuno que não me recordo do nome mas era provavelmente a pior discoteca do mundo, e as noites que corriam devagar, sem pressa! 



Depois disto quero ver quem tem coragem para me chamar niilista!


Esta tarde na praia contemplei uma mulher, grávida de quinze meses, pelo menos, junto ao mar, com o grávido agarrado a ela, massanjando-lhe a barriga, jorrando carinho, numa das mais sensuais cenas que tinha visto! Ao lado, deitados na areia, molhados, brincavam dois ou três labreguinhos que o casal olhava com um sorriso! O mundo pode ser um lugar estranho, mas enquanto existirem pessoas que se amam e com esperança, vale a pena passear por cá! 

domingo, julho 24, 2011

Uma pequena interrupção para algo que dito por outra pessoa podia ser interessante!

Gosto do programa Erasmus! Aconselho os meus alunos a irem de Erasmus! Apesar de lhe chamar programa orgasmus e estar convictamente convencido com convicção de que, na maioria dos casos, numa perspectiva académica, o programa é um longo manto de trampa! Porque demasiadas vezes o erasmus é usado para fazer indecentemente cadeiras atrasadas com notas obscenas! Mas tal como as mulheres, apesar de todos os seus defeitos e imperfeições, experimentar o programa erasmus é algo transcendente! 

Há muito que penso isto e cada vez mais estou certo da verdade da minha premissa: viver, pelo menos um ano, fora do País, numa cultura diferente, com gentes diferentes, com outros sons, outras vozes, outros cheiros, deveria ser obrigatório! Se nos determos nos currículos de mais excepcionais portugueses, vamos descobrir que têm em comum uma vivência no estrangeiro! Pessoalmente, cada vez mais, sinto essa urgência, essa necessidade de colmatar um vazio que as viagens são impotentes para preencher! Abominava ter agora menos 15 anos, mas, se os não tivesse, por todas as razões e mais algumas, eu seria um erasmus também! 

Coisas que davam vontade de rir se não fossem trágicas!

Goste-se ou não, Pacheco Pereira sabe do que fala! É toda uma vida dentro de um partido! Vale a pena ler isto! Ajuda a perceber a frustração de quem apenas tem convicções e se contenta em lutar pelo que deseja! Ajuda a perceber o país que somos! E o que nos espera o futuro...

Então vamos lá interromper as férias para falar nas coisas realmente importantes que ninguém tem coragem de falar!

A poligamia! Urge falar sobre isto: toda a gente a pratica em privado e ninguém a aborda em público! É indecente que em tempos de penúria, em momentos que vamos de PEC em PEC, sem que nenhum pacote seja suficientemente profícuo e eficaz, numa época em que se exigem sacrifícios aos cidadãos, onde se furta o produto do nosso trabalho em impostos usurários, em que se aumenta desmesuradamente os transportes púbicos,  ninguém tenha a serena audácia de colocar em cima da mesa a única discussão que realmente interessa: mais do que a legalização da poligamia, é premente que a poligamia seja obrigatória! 
Desde logo pela questão económica: num tempo em que nos sugam tudo, é da mais óbvia racionalidade que os agregados familiares sejam compostos por três pessoas; não apenas vamos assistir a um aumento do dinheiro disponível que vai espevitar, não apenas a poupança mas também o consumo, como, as famílias poligâmicas está mais protegidas contra o flagelo da precariedade e do desemprego. Não devemos ainda escamotear a pertinência da solução para uma optimização da gestão não financeira da situação familiar: com casamentos a 3 é muito mais simples gerir a ida dos putos para a escola, musica e dança, desportos variados, festas de anos e baptizados! 
Acresce a melhoria da condição humana: não apenas as pessoas se tornam mais generosas e aprendem a partilhar, confrontando-se este latente egoísmo da pseudo exclusividade, absolutamente contra-natura, como se pode por cobro ao triste flagelo das vaginas abandonadas que se passeiam num triste desespero por bares e discotecas, curando o país desta profunda depressão colectiva! 
Defender a poligamia, mais do que uma questão de Estado e de consciência, é a intransigente defesa da raça humana tal como a conhecemos, o verdadeiro e ultimo repto que permite salvar a humanidade! 

sábado, julho 23, 2011

Hoje sou norueguês...


PS - Morreu também a Winehouse: por vezes vives a tua vida como se cada dia fosse o ultimo! E um dia é mesmo o ultimo! RIP

Lucian Freud


Não há nada mais aviltante que o mau jornalismo, esta ânsia de narrar o inarrável, de contar algo quando nada há para dizer, o deserto de ciência numa época que dizem ser silly, que condena os jornalistas a inventar conceitos para ocupar as gordas horas de telejornais e as letras imprensas da imprensa! Abjectamente, ouvi algures por aí que Lucien Freud tinha morrido!!! Como se enquanto existir um quadro Freud possa morrer, como se um escritor não fosse imortal nas suas palavras, como se enquanto a música tocar numa qualquer rádio se possa dizer que o cantor morreu!
Inspirado no seu homónimo tio, Freud foi quem melhor pintou as mulheres, que as viu como gosto de me ver a mim e a os outros, o artista que guardou em si a sapiência de perceber que todos somos igualmente vulgares e desinteressantes nas nossas qualidades, que as nossas qualidades são aborrecidas, que aquilo que nos torna verdadeiramente únicos e especiais, a razão que vale a pena amar e ser amado, são os nossos nano defeitos, as nossas falhas, as nossas imperfeições! 
A mulher que dorme desnuda sobre a cama, não está refém de ginásios, de dietas hediondas, de botox, de plásticas,  da frágil superficialidade do acessório, de quem venera o desnecessário e se aborrece perante o pertinente: a mulher que descansa sobre a cama, dorme o justo sono dos satisfeitos, é uma mulher inteira que se ama e entrega, ciente dos seus defeitos, mas apaixonada pelas suas virtudes!

sexta-feira, julho 22, 2011

uma estranha forma de ser ou a arte de beber vinho de pacote em copo de cristal falsificado!

A geração dos vinte não entende porque a minha geração gosta de Herman José! Porque não tem idade para perceber que o Herman foi um dia soberbo, que nos fez rir e pensar, que ajudou a fazer do Portugal ainda salazarento um povo menos triste e melancólico!
Dito isto, reconheço que, depois do Herman, os Gato Fedorento são o melhor da portugalidade para nos fazer rir! Por vezes deixam-se trair por um humor muito óbvio, mas têm no ADN o melhor do humor inglês, verdadeiros sociólogos das taras e manias desta estranha coisa de ser tuga! Por estes dias adormeci a pensar num ultimo dos seus spots, aquele das promoções para o meo, mormente quando Ricardo Araújo Pereira diz algo como "mas , oh, Fernando, e se o cliente tem a raiz quadrada do pi" !

Nesta frase, Ricardo Araújo Pereira capta a essência de uma certa portugalidade, uma forma tuga de estar na vida, o desencanto encanto daqueles que apenas se conseguem fazer notas pelas dificuldades que criam, que escamoteiam a sua ignorância por detrás de três ou quatro palavras caras - sem cuidarem de saber o que significam - num inglório esforço de erudição ignorante! Mas que dormem felizes! 

E assim ensinou Maquiavel...



O verão é delicioso para tomar medidas difíceis! Ou mesmo medidas estranhas! Porque o verão é assim uma espécie de carnaval mas a sério! Porque ninguém quer saber! Porque ninguém se interessa! Porque se pode decidir tudo! Porque depois logo se vê!

quinta-feira, julho 21, 2011

As pessoas são mesmo umas exageradas que amam criticar!!!

Ouvi ontem alguém dizer que ao tipo que desenhou os novos recipientes para o lixo & reciclados do barlavento algarvio deviam tentar-lhe enfiar a cabeça na caixa destinada aos plásticos para o gajo aprender!
Não consigo entender este exagero: só porque um gajo é pago regiamente para fazer um balde do lixo, apenas porque a abertura do dito é insuficiente para colocar o lixo, vamos criticar a pessoa??!! É um engano simples e mais do que legítimo! Até porque os baldes estão lindos, pelo que, é manifestamente exagerado atacar o homem, apenas porque não servem para realizar a função pela qual existem!
Nosso Senhor também não foi muito hábil na colocação dos buraquinhos e não é por isso que a malta de balda à igreja!!! 

quarta-feira, julho 20, 2011

Porque perguntar não devia ofender!

Eu não sou economista pelo que não pretendo penetrar vagina alheia, mas, com, data venia, deixo a questão: se o Benfica e o Sporting tivessem sido proibidos de contratar jogadores, tinha sido necessário chama o FMI?! É que tive a fazer contas de somar com os dedos e acho que os "grandes" de Lisboa gastaram mais que o empréstimo da troica!

terça-feira, julho 19, 2011

Uma espécie de não falar sobre a Expobeja...

Não vou tecer comentários sobre a intenção do executivo acabar com a expobeja: a minha posição é publica e conhecida, tem anos e não mudou!
Mas é interessante reflectir sobre a celeuma relacionada com a possibilidade da sua extinção, com os argumentos que já lemos e vamos ler, sobre a sua imprescindibilidade! Porque este vai ser um desafio colossal: toda a gente em tese defende que há imensas empresas publicas, fundações e associados que devem desaparecer porque são cancros de dinheiros públicos, mas, sempre que se fale de uma entidade em concreto, vão chover vozes a gritar contra! Porque nós somos assim: somos reformistas! Queremos mudar o mundo, desde que tudo fique exactamente na mesma...

Dizem que é o Baco e que faz as mulheres bonitas...


Tenho tido algum pudor em abordar a Beja Wine Night! Não por temer opinião, porquanto, até os muitos que não me suportam, reconhecem-me a coragem de lutar abertamente por aquilo que acredito! Mas por estes tempos divididos entre paixões e ódios, em que ou se ama ou odeia, criticar construtivamente, procurar consensos em ruelas de dissensos é uma tarefa hercúlea!
Pessoalmente não aprecio a Beja Wine Night! Reconheço que a culpa seja minha e das minhas idiossincrasias, mas, aquela coisa do glamour e do trendy, mexe-me com o sistema nervoso! Mas sei que sou uma excepção, não acho que se devam fazer festas para os meus estranhos gostos – até porque toda a gente que conheço gosta e a única pessoa que ouvi dizer mal, nunca lá foi – e, enquanto for paga a 85% por fundos comunitários, terá o meu apoio! Mais. O Miguel apostou e foi uma aposta ganha, pelo que, merece os meus parabéns!
Mas reconhecer que correu bem, que o evento é bom, que esteja na direcção certa, não significa que não seja pertinente analisar, repensar e corrigir erros! Porque os há! Todos me dizem – e não tenho nenhuma razão para acreditar, até porque quem me o disse, percebe bem mais do que eu – que a organização no primeiro ano foi soberba! Este ano, o adjectivo parece-me excessivo! Porque a treta da guest list correu mal – se todos tivessem um convite as entradas tinham-se feito em muito menos tempo – (já sei que me vão acusar de ser homofóbico, mas não achei piada à bicha); sobre as meninas do bar, se a ideia fosse janta-las, a escolha era perfeita, mas, infelizmente, elas estavam lá para servir vinho, pelo que, era conveniente perceberem algo do ofício e, saberem fazer algo tão radical, como abrir garrafas; a comidinha… era escassa! Por fim: a empresa promotora não é estupenda na divulgação!
Com o mesmo tom, no mesmo sítio e com a mesma convicção que há um ano e um trocos entendi que a escolha da empresa promotora foi feliz, porque trouxe um conceito novo, profissionalismo, qualidade, escrevo hoje, convicto que não me contradigo, que depois de identificado o conceito ou a empresa consegue reinventar-se e trazer algo novo ou a beja wine night poderá no próximo ano ser organizado por empresários locais!
Mais! E sei que me vão chamar todos os nomes, mas estou habituado! O Tuga lida mal com a noção de bar aberto! Acha que se um bar está aberto é falta de respeito não ficar bêbedo! E apesar de eu ser totalmente favorável a mulheres bêbedas de vestido, este evento não pretende apoiar a natalidade, antes os vinhos alentejanos! Penso que bastaria cobrar cinquenta cêntimos por copo, para que se perceba que a filosofia da coisa é provar vinhos, não emborca-los!

segunda-feira, julho 18, 2011

Era uma vez o Aeroporto mais barato do mundo e as pessoas da província!

O aeroporto de Beja deve ser o mais barato aeroporto do mundo! Mas infelizmente ainda demasiada gente acha que tudo o que se investe no interior é desperdício! Porque para parte do país todos os alentejanos são como as anedotas e sentamo-nos debaixo do chaparro a comer bolotas até que a morte nos leve! É indignante, mas é a patética verdade! 
Ler que o Aeroporto de Beja é um exemplo de despesismo é abjecto, porque, 33 milhões, comparticipados pela UE, fazem de Beja provavelmente o aeroporto mais barato do mundo! Acresce que os custos de exploração do AdB são 350 mil euros! Têm noção de quão ridiculamente baixo é este valor?! Que estamos a falar de apoios a dois grupos de teatro regionais? Da venda de bilhetes para dois concertos do Tony Carreira? O vencimento mensal do Vila Boas ou de outro qualquer?! Acha mesmo que perante valores desta ordem se justifica tanta celeuma?! Que é um desperdiço de lesa majestade? Tem noção de quantos administradores de empresa recebem mais do que isso? Que se gasta mais do que isto num mês fraco no elefante branco? Que bastam 351  turistas ano para o impacto para a região ser positivo?!
Definitivamente é crucial que lá para depois do Verão a ANA faça uma conferência aberta ao público! Porque as pessoas - ou a maioria delas - não são estúpidas e apenas precisam de ser informadas! Porque há muito para fazer! E todos somos poucos!

domingo, julho 17, 2011

Porque a única certeza na vida são as dúvidas...


Vivem-se os mais pantanosos tempos de que temos memória, sobretudo desde a última vez que se viveram tempos pantanosos! Ou, para fugir a lugares comuns e a tolices de figuras de estilo, Portugal vive momentos únicos na democracia, a Europa vive a pior crise desde a guerra, o mundo vive, como dizia o falecido, a maior crise económica desde a grande depressão!

Não acredito que seja possível passar por tempos conturbados como este, sem questionar as nossas convicções, sem ter dúvidas, sem nos perguntarmos se temos razão em tudo o que sempre acreditámos! Sem uma introspecção, que mais não seja, para ficarmos exactamente onde estávamos! 
Mas se nunca como agora foi tão crucial pensar, debater, confrontar opiniões, não me recordo de tempos tão complexos como estes para debater! Há uma crispação no ar, um nervosismo no ar, uma certa intolerância, uma tendência para o ataque pessoal e para a honra, que inquina o debate! Que o torna insuportável! 
Não sou virgem, pelo que, não me vou armar em donzela púdica: não sou mais culpado que outros, mas não sou inocente! Se - e isto de ser juiz em causa própria é tenebroso - nunca sou eu a desferir ataques, se há limites que nunca passo, tenho de assumir que por vezes me excedo e deixo-me levar no calor do comentário e nem sempre me orgulho do resultado! Dizem que o caminho para a redenção é o reconhecimento dos pecados? Quiçá! Pessoalmente acho que fugir da tentação é o melhor caminho! Dixit!

sábado, julho 16, 2011

Coisas que provavelmente não têm interesse nenhum, com toda a certeza!...

Vou ter saudades do Modelo! Muitas! Em tardes como hoje, chega a ser grandioso...

Porque quem ama nunca diz adeus...

Sou bairrista! Sou orgulhosamente bejense! Beja até pode não ter todos os encantos do mundo, mas é a minha terra! As ruas guardam segredos e contam histórias! Entristece-me quando dizem mal da minha cidade, encanto-me quando oiço dizer bem! Simples e linear!
Porque conto tudo isto? Por duas razões! Primeiro porque o blogue é meu e posso dizer todos os disparates do mundo, a segunda, porque sim! E este porque sim tem uma razão!
Como os mais habituais sabem sou docente do ensino superior! E evito dar primeiros anos, primeiros semestres! Não é uma questão de cheiro a leite é apenas porque prefiro apanha-los menos secundário, com mais noção do superior, mais preparados, mais adaptados! Mas de quando em quando apanho primeiros anos, semestre de Inverno! E a primeira aula é confrangedora: porque na minha frente tenho um bando de miúdos que abominaram ter ficado em Beja, que odeiam a ideia de ter de aguentar três anos em Beja, que tudo fazem para mudar de curso! E... quando lhes digo que um dia vão ter saudades de Beja, fazem-me um olhar maravilha, tipo... o gajo é maluco e doido, passado e parvo, eu odeio e vou odiar Beja eternamente!

Mas os anos passam e por vezes os cotas têm razão! Ler por estes dias as frases de despedida dos meus finalistas, dos finalistas de outros cursos do IPBeja, as saudades e a paixão que têm por esta terra, as memórias que levam com eles é, para este tolo que vos escreve, absolutamente deliciosamente extraordinários! Porque... vão eles para onde forem, levam um pouco de Beja com eles e um dia vão regressar! E cá estarei para um abraço... 

sexta-feira, julho 15, 2011

Peço imensa desculpa por incomodar...

... mas preciso urgentemente de dar os parabéns ao Paulo Rangel! Porque sim! Porque finalmente alguém tinha de o dizer, como devia ser dito!

Essa coisa absurda a que alguns chamam de cultura!

Por estes dias há uma imensa controversa em Évora sobre as coisas da cultura! Ou não! Porque não raramente os blogues têm um efeito megafone, a resmas de distância da realidade! Não me vou pronunciar sobre a questão, porque a desconheço em absoluto, mas, ao que parece, trata de dois anos de subsídios em atraso, algo que obviamente se lamenta e condena! Porque a cultura em Portugal só vive de subsídios! 

Não defendo que a cultura seja auto-suficiente, que viva sem estado, que seja apenas o mercado a determinar o que se produz! Sou liberal, mas não sou parvo e não me parece que o estado seja uma coisa dispensável! Mas também não sou daqueles que ache que a cultura possa divorciar-se do público, que se produza arrogantemente para ninguém ver, porque, se uma sala cheia não é necessariamente qualidade, se a sala está totalmente vazia, então, também não há qualidade! 

Por isso é que estes dias percebi que perplexa estupefacção que a venda dos bilhetes dos grupos de teatro - e outros agentes culturais, presume aqui o rapaz - revertem integralmente para o pax júlia! Percebo e subscrevo que o pax, que tem custos, receba uma parte dos lucros de bilheteira! Mas nunca a sua totalidade; ainda que sejam migalhas é um péssimo sinal, num sentido desprezível, é gritar alto, que estarem cem pessoas ou estar sem pessoas é absolutamente irrelevante, porque nada há a ganhar ou a perder! Na política os sinais são cruciais: este é um sinal em sentido errado... 

quinta-feira, julho 14, 2011

Beja é mesmo um local estranho...

... agora é a polémica da bandeira espanhola numa campanha de promoção turística! Como é mesmo que dizia o Catroga?!! Depois... estranhem quando as pessoas perderem definitivamente a paciência ...

Swallows The Poison Apple, por Paula Rêgo


Olá! Gostava de te lançar um desafio!
Como apreciador de arte, gostava da tua opinião sobre as obras de Paula Rêgo. Considero-a um ser à parte...como quase todos os artistas, de resto. Mas ela, exerce sobre mim um fascínio avassalador. Não percebo nada de arte, não tenho qualquer capacidade de analisar as técnicas dos pasteis, dos acrílicos ou das aguarelas...apenas me deixo invadir por sensações grotescas quando observo algumas das suas obras. Acho incrível a semelhança entre que ela pinta e o que Freud teoriza...admiro a mistura de personagens míticas, baseadas em romances e contos de fadas, mas tantas vezes reais. A coragem de tocar na ferida, de mostrar o que o mundo tenta e tentou esconder durante séculos. A repressão feminina, numa sexualidade vivida tantas vezes em gritos silenciosos. A cara de fetos abortados e escondidos num mundo hostil quase perverso da condição humana. Subterfúgios emaranhados nas entranhas da vida em que animais se transformam em seres humanos; em que bailarinas ensaiam passos desconcertados em corpos rudes e gastos pelo calor de trabalhos pesados.
Fico a pensar se este não é também um lado perverso meu escondi, enraizado e recalcado :) 

Post Scriptum: quando tudo já foi dito, resta o silêncio de quem já nada pode acrescentar..

Coisas que são quase profundamente importantes!

Peço a atenção do leitor para algo praticamente extremamente importante: hoje a Senhora minha mãe faz, salvo erro, 50 anos! A senhora minha mãe não gosta de fazer anos, não gosta de festas pelo que, se se cruzar com ela, não lhe dê os parabéns! Se quiser oferecer uma prenda, compre algo para o filho mais novo que é um bom rapaz e carenciado de coisas! Ajude-me: vamos todos fazer com que hoje não seja o dia de aniversário da Senhora minha mãe!

quarta-feira, julho 13, 2011

...

É preciso perceber que há guerras que se perdem! Assumi-lo e seguir em frente! Por maiores e mais dolorosas que sejam as feridas!

Buga descobrir Beja?!


Evito colocar aqui este tipo de publicidade, porque sei, coisas que sei! Mas isto vale realmente a pena, não tivesse a chancela de qualidade Florival Baioa e mais duas estimadissimas senhoras que não faço ideia quem seja ou, provavelmente, conheço perfeitamente mas como tenho memória de quadrúpede bestóide não me recordo! aqui vai: "a Biblioteca Municipal de Beja vem por este meio convidar todos os interessados a inscreverem-se nos roteiros culturais e workshop dedicados à descoberta de Beja, que irão decorrer entre 15 de Julho e 15 de Setembro. Será uma boa oportunidade para ficar a conhecer melhor esta cidade alentejana, que tem um património histórico e cultural bastante rico". Para mais informações, informe-se...

Porque os dias de calor nos fazem pensar em água...

Sei muito pouco sobre a empresa das águas públicas do alentejo! E tenho pena, porque o projeto é deveras interessante e estrutural! Porque é nuclear num tempo e num espaço onde as pessoas têm orgasmos com minudências! Gostava de saber o que fazem por estes dias, quantos funcionários e avenças têm os critérios de contratação, conseguir perceber num tenebroso silêncio, tantas vezes cúmplice, se se respeitam regras de igualdade ou se estamos perante outra amalga ou edia!


Porque falo nisto hoje? Porque estou fodido, eufemismo para lixado e triste, com algo que vi no sítio do costume; só quem anda distraído ainda não percebeu que estamos a formar licenciados para um mercado de trabalho muito complexo, mas,  quando nos cruzamos com jovens de enorme potencial, das mais talentosas do seu ano, em funções muito inferiores às suas qualificações, invade-nos uma melancolia triste! 
Há um palavrão que alguns falam e outros conhecem que se chama mobilidade social, ou seja, a possibilidade de alguém pelo seu esforço, mérito, dedicação, trabalho conseguir uma vida bem diferente daquela com que nasceu! A politica do clientelismo, da tão nacional cunha, mata esta possibilidade e agudiza o pior do nosso país!  

terça-feira, julho 12, 2011

O velho guitarrista cego, 1903, por Picasso...


Não desnudo a minha privacidade se partilhar com quem tem a bonomia e paciência de me ler, que descobri Picasso pela mão do meu primeiro quase amor, do primeiro encantamento adolescente, as partilhas nervosas de quem quer descobrir um mundo inteiro num único dia, num tempo em que as certezas ainda são absolutas e as verdades eternas enquanto duram! Mas confesso hoje, sem a vergonha que me fez escamotear no passado, por maior e esmagadora que seja a blasfémia, que Picasso nunca me encantou! Picasso para mim sempre foi aquela deslumbrante mulher, com curvas e contracurvas, com rosto lindo, com olhos divinos, aquela mulher que se lhe reconhecem todos os méritos e os mais desejados pecados, mas... não obstante ser tudo, sinto-a vazia com um nada! Porque, felizmente, na vida e nos amores, não há nada mais racional que o irracional, as certezas que temos sem que nada as comprove, apenas, porque sim! 

Mas se Picasso não me encanta, este seu velho guitarrista esmaga-me, sendo uma obra absolutamente excepcional, sem dúvida uma das pérolas do século XX! Apaixono-me pelas cores sombrios, pouco típicas no mestre, em meados da sua fase azul; encanto-me pela forma como o velho toca sobre si mesmo!
Por ignorância minha não consigo ver o mendigo que toca na rua para obter subsistência, nem tenho a inteligência erudita para ler no quadro a metáfora do artista num imenso conflito entre a sua arte e o comodismo burguês, a luta interior entre a pureza da arte e o mercantilismo das relações interpessoais! Sou uma mente orgulhosamente simples e vejo apenas um velho melancolicamente a tocar de si e para si, um homem que apesar de cansado de tocar para não ser ouvido não se derrota na amargura impotente e, até que os dedos lhe doam, não desiste de se entregar às suas paixões e tocar a sua música! Seja ouvido por uma multidão, quer as notas de música se percam em ruas desertas, ciente das suas certezas! 

Porque Beja é hoje notícia no Público... (Com Adenda)

 "Centena e meia de pessoas concentraram-se ontem de manhã frente à sede da Associação de Municípios do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, em Beja, onde se iria decidir como distribuir as 70 crianças, residentes no Bairro das Pedreiras, pelos três agrupamentos de escolas desta cidade.
Durante a tarde o director Regional de Educação do Alentejo, José Verdasca, reuniu com os três directores dos agrupamentos de escolas de Beja, num encontro acalorado que terminou depois das 19h, sem declarações à imprensa. O PÚBLICO sabe que não houve consenso, porque há escolas que se recusam a receber estes alunos. Hoje há nova reunião.
Margarida Lucas, presidente da Associação de Pais, de Santa Maria, justificou a concentração com a "indignação" de pais, encarregados de educação e funcionários escolares, que estão descontentes com o que está a ser feito aos alunos de etnia cigana. Estes foram obrigados, no último ano lectivo, a permanecer no Regimento de Infantaria n.º 3. Os pais pedem que as crianças de etnia cigana não se concentrem apenas num agrupamento, o de Santa Maria, porque alegam que neste momento "mais de 90 por cento dos alunos oriundos dos bairros mais problemáticos da cidade estão concentrados neste estabelecimento de ensino".
António Duarte, presidente do conselho geral do agrupamento de Santa Maria, diz que se "está a criar um ghetto", referindo-se ao elevado número de alunos que revelam problemas de aprendizagem e são oriundos de agregados familiares desestruturados. Esta realidade, prossegue o docente, tem incentivado a saída sistemática de crianças não-ciganas para os outros agrupamentos de Beja. "Já detectámos que 36 alunos que deveriam matricular-se no nosso agrupamento foram para outras escolas, e mais 27 alunos pediram transferência. Arriscamo-nos a que só fiquem crianças problemáticas", vinca Marta Brito, mãe de um aluno que se queixa que o seu filho terá sido prejudicado na aprendizagem com a instabilidade provocada por alunos de etnia cigana e que condicionou o trabalho do professor.
Tanto a associação de pais como a direcção do agrupamento reclamam que metade dos 70 alunos seja dividida pelos agrupamentos de Mário Beirão e de Santiago Maior. Mas as respectivas direcções já disseram ao PÚBLICO que não têm vagas nem condições para integrar as crianças do Bairro das Pedreiras, construído pela Câmara de Beja há seis anos para instalar cerca de 400 pessoas que viviam em barracas no Bairro da Esperança, o mais problemático de Beja.
O vereador com o pelouro da Educação, José Velez (PS), diz que "há ano e meio" mantém o diálogo com a Direcção Regional da Educação do Alentejo para resolver este problema. A autarquia propôs que "não se concentrassem todos os miúdos de etnia cigana num só agrupamento", posição que diz ter sido partilhada pelo director regional da Educação. Mas " as coisas não correram bem" e as crianças "ficaram no quartel de Beja por não ter sido encontrada uma solução", diz o autarca. Confrontado com um conflito que se agudiza, o presidente da Câmara de Beja, Jorge, Pulido Valente (PS), diz que esta questão "não é da competência directa da câmara". O autarca advoga a distribuição das crianças pelos três agrupamentos.
Miguel Ramalho, vereador da CDU, reconhece que se trata de uma situação "muito complexa", mas diz ter "muitas dúvidas" que a solução esteja na redistribuição dos alunos. Sustentar que, por serem ciganos, têm de ser distribuídos, "é um ferrete que lhes é colocado, pois isto não acontece com as crianças não ciganas."
Mário Simões, deputado do PSD eleito pelo círculo de Beja, deslocou-se ao local da concentração para falar com os manifestantes, informou-os de que o "Governo já tem conhecimento da situação" e espera que "rapidamente" seja encontrada uma solução."


Adenda: Parece que já há acordo...

É a chamada mudança de 360 graus, uma caiprinha e um peixe grelhado

Vamos lá fazer um suponhamos! Desde logo porque era criminoso o blogue morrer sem nunca ter aqui escrito a palavra suponhamos, uma locução que plasma o melhor do pulsar de uma certa portugalidade! Façamos um juízo de prognose póstuma, por assim dizer, e vamos imaginar todos juntinhos que Portugal tinha uma qualquer parte periférica, seja lá isso o que for! Uma ilha, por exemplo! Fantasiemos que nessa ilha se gastava dinheiro a rodos em coisa nenhuma,  que a corrupção era obscena, que a produtividade era fraca, que havia uma imensidão de regalias e estímulos à preguiça, pelo que, ano após ano, era necessário o Estado central enfiar lá dinheiro!
Continuando a suposição, vamos imaginar, que quando o estado dissesse ou se portam com juízo ou fechamos a torneira, que essa ilha começava a gritar belzebu (ou belzebeu, que é mais bonito!), que essa gente eram um bando de egoísta, que só pensavam nos seus em vez de pensar nos outros e mais coisa e tal e tal e coiso! 
Pergunto - porque isto de perguntar não devia ofender -: você um dia não perdia a paciência e mandava essa gente ir trabalhar? Como às pessoas?!!

segunda-feira, julho 11, 2011

Só um surdo é que não vê isto...

É uma vergonha os mercados estarem a emprestar-nos dinheiro com juros altos porque a culpa de Portugal estar assim é dos mercados porque nos emprestavam dinheiro a juros muito baixos!

Até porque quem gosta de cunnilingus tem horror à má língua...

Custa-me escrever isto, mas... a Moody´s disse que Portugal muito dificilmente vai conseguir pagar a dívida e aconselhou os investidores a não confiarem na nossa capacidade financeira para honrar os nossos compromissos! Pergunto - porque perguntar não devia ofender - a Moody disse alguma mentira?! 

domingo, julho 10, 2011

Porque 25 anos é praticamente um quarto de século e eu sou favorável a tudo o que se relacione com quartos!

Há um mundo que me separa da Rádio Voz da Planície! Não da rádio em si, mas dos seus critérios jornalísticos: é minha convicção - e é apenas minha e vale o pouco que vale - que é um mero projecto politico partidário, durante anos sustentando pela CMBeja - sendo que, pasme-se, neste mandato continua a ser o órgão de comunicação social mais apoiado!!! Esconder o que penso, era hipocrisia!
Mas, não esqueço, que tenho muitas memórias naquela casa, que tive lá um programa em adolescente, que fiz lá amigos, que ainda fui jurista deles, pelo que, publicamente lhes dou hoje os meus parabéns: Beja é mais rica com pluralidade de rádios!
Bem hajam!

sábado, julho 09, 2011

Dance, 1963 por Marc Chagall

Posso morrer estúpido - e nesse coerente como vivi - mas vou eternamente acreditar que Chagall é o mais romântico de todos os pintores!
Sendo ele próprio o espelho da mundividência, um verdadeiro cidadão no mundo, que nasceu russo, morreu francês, que se refugiou nos estados unidos orgulhoso da sua condição judia, depois de se ter apaixonado pela revolução russa, teve a grande coerência da incoerência daqueles que nunca deixam de procurar respostas! 
Não é por acaso que Chagall é azul, não fosse a sua obra imbuída de um sereno sentimento de procura, uma certa melancolia por vezes quase cobarde, mergulhada na serenidade quieta da fé, numa placidez perante os imponderáveis, um acreditar quando todos duvidam! 
O quadro que vos ofereço é um encantamento recente, daqueles que nos despertam, mas que depois se esfumam, como ondas cansadas que morrem na areia de uma praia desabitada numa noite quente de verão: vejo nela a diversidade, pessoas que dançam de si e para si, outras acompanhadas, outras que me parecem terrivelmente solitárias no meio de imensa gente, pessoas que dançam a sua própria música, com sons e gestos diferentes, com tonalidades próprias de quem não se limita a sentir os sentimentos dos outros! É refrescante, numa sociedade cada vez mais repetitiva, cada vez mais homogeneamente cinzenta, ver pessoas felizes nas suas diferenças, centradas em si, sem desleixar ou amesquinhar os outros!
E depois, quase perdidos, aqui como em outros dos seus quadros, desenha-nos bocejos de vermelhos, espalhados, uma quase casualidade, o espanto incongruente de deixar o publico inquieto na suspensão inglória, de desconhecer se o vermelho é sangue de calor, de excitação, de paixão ou o vermelho sujo da brutalidade dos insensíveis mal educados! Não fosse Chagall um homem complexamente simples...

sexta-feira, julho 08, 2011

Porque perguntar não devia ofender!

... vão ser preciso quantos meses para decorar o nome dos duzentos novos jogadores do Benfica?!!

Dá nosso Senhor asas a quem enjoa a voar...

Por vezes perguntam-me porque me irrito quando atacam Beja ou empreendimentos nucleares para a cidade, como tem sido recorrente o caso do Aeroporto de Beja! Há uma primeira grande explicação: não sei viver sem paixão! Seja na vida pessoal, seja no meu ensino, seja nas minhas convicções, no meu percurso cívico! Mas nunca uma paixão histérica ou irracional, antes, algo que procuro fundamentar em argumentos racionais, procurando ler, informar-me, aprender com tantas e tantos que sabem muito mais do que eu, com a humildade de admitir o erro, sem procurar evangelizar os outros com as minhas convicções!
Mas, admito, que me vou tornando menos tolerante com quem argumenta com má fé, sem o menor conhecimento das coisas, baseando-se em efabulações, com total despreocupação pelo rigor, com frases redondas e lugares comuns ou se deixa influenciar pela espuma dos dias; como me falta paciência para os cristãos novos que desde há vinte anos auguram o projecto, com todos os mais estapafúrdios argumentos: primeiro o base tinha de ser apenas militar porque era imprescindível para a defesa na nação, depois não era viável, depois era preciso uma nova pista, depois era preciso uma pista maior, depois uma pista mais pequena, depois a pista era mole (ou dura, já nem sei!)... i e, todo o rol de argumentos, sempre rebatidos com os factos, com o único objectivo de atacar o investimento! 
Agora que a obra terminou, surgem os betinhos de cascais, o idiotazinho da tvi e alguns acólitos com a teoria maravilha que esta obra é o exemplo dos despesismo socrático! E pasme-se, por cá, há quem aplauda e fique feliz!
Uma obra que começou a ser estudada no tempo de Cavaco Silva, que começou no tempo de Guterres, foi confirmada por Barroso, aplaudida por Santana Lopes, demorou um disparate de tempo no reinado de Sócrates para apenas estar concluída a dias de Passos Coelho é, para estas cabeças pensadoras, o grande exemplo do despesismo socrático! Uma obra que custou 4 km de auto-estrada é o grande exemplo de despesismo no pais dos dez estádios, do metro do porto, do ccb, das parcerias publico privadas, das auto-estradas que não vão dar a lado nenhum, dos viadutos nos ip`s, da cril, da ponte do mondego, dos 5000 centros culturais vazios, das fundações, das empresas públicas, das empresas municipais e tantos outros exemplos!!Haja paciência e gajas boas!
Deixemo-nos de merdas! O Aeroporto em Beja é atacado porque há ainda um país que acha que apenas se deve investir em Lisboa e Porto, outros acham ultrajante uma cidade como Beja ter um Aeroporto, outros ainda porque se deixa contaminar por vergonhosos interesses económicos que usam a imprensa para influenciar algumas mentes mais simples e, há que reconhece-lo, alguns que genuinamente ficam assustados perante tudo o que é novo! E a vida é feita de diversidade: por estranho que pareça, ainda há pessoas, hoje, com a suprema ingenuidade de defender que se destrua a Portela para se fazer um novo Aeroporto em Alcochete, com mais uma ponte, mais um metro e mais uma auto-estrada! O Aeroporto de Beja é atacado por uma total incapacidade de ver a longo prazo, por esta fobia tonta de exigir que o investimento seja rentável 45 dias depois da inauguração, por desconhecer que nem porto nem faro o são, porque, nestas obras, não se exige que o aeroporto em si seja rentável, mas que o impacto para a região seja positivo! 

Não defendo o Aeroporto de Beja apenas por ser bejense! Defendo-o porque é sinal estruturante para o desenvolvimento do interior do país (se podemos falar em interior num pais de duzentos quilómetros de largura!!!), porque num país de novo riquismo absurdo onde nos deslumbramos com o novo, adaptar o que já existe poupando milhões merece aplauso, pela sua raridade e pela pertinência do exemplo! 
Claro que nem tudo é perfeito: a obra protelou-se demasiado, pelo caminho perdemos a hipótese de ser a base de operações da Ryanair, podíamos ter sido o entreposto na Europa do transporte aéreo de correio, perdeu-se a hipótese de uma fábrica, por estranhas razões a embraer não aterrou aqui, o patético atraso na atribuição da gestão do aeroporto e que, para mal dos nossos pecados, o aeroporto abriu em plena crise económico mundial, com o país de cócoras perante os credores pelo que, por estes dias, a única certeza económica é a incerteza!

Mas reconhecer problemas não é teme-los, porque a cobardia enoja-me.A inauguração do aeroporto não foi o fim de um percurso: foi apenas o primeiro dia! De muitas lutas que se seguem! De um manto imenso de dificuldades e incompreensões! De erros que ainda se vão fazer! Sabemos que vai ser difícil, mas, no alentejo, habituámo-nos que tudo para nós é dificil (40 décadas a esperar por alqueva, ouvindo os mesmos absurdos argumentos que agora ouvimos!). 
Critiquei a escolha da ANA, critiquei imenso os anos que se perderam sem atribuir a gestão do aeroporto que só agora permite começar um trabalho que devia ter sido feito anos atrás: mas não quero sentar-me a gritar que tive razão, porque gosto de estar do lado de quem apresenta soluções, não dos que se querem fazer notar por trazer problemas!
Quem defende o Aeroporto, em geral, a ANA em particular devem ter a humildade de aprender com todos os que de boa vontade querem ajudar o processo; era muito importante que para o fim de Setembro a ANA reunisse com a população para receber contributos, ouvir opiniões, debater, ser confrontado com criticas, porque pobres daqueles que tudo pensam saber e se acham cheios de certezas! Digo muitas vezes e repito-o hoje: as pessoas não são estúpidas, apenas precisam de ser informadas! E por falta de informação é que assistimos a tenta gente de boa vontade, algumas até inteligentes, a dizer tanta tolice, pelo que, mais do que qualquer outra coisa, merece a nossa tolerância!
Para o aeroporto ser o que desejamos, todos somos poucos pelo que urgem consensos, urge reunir todas as pessoas de boa vontade, venham de onde vierem, para a defesa da nossa região, obrigando as vozes institucionais a despertarem deste irritante silêncio! Com garra, com paixão, com entusiasmo! 

quinta-feira, julho 07, 2011

CDU: Vereadores na Câmara de Beja acusam actual Executivo de “Tráfico de influência e favorecimento ilícito”

A notícia está onde era normal estar! E pessoalmente aplaudo isso E só não percebo porque não foram ao Ministério Público! Se a vereação tem dúvidas sobre a seriedade e honorabilidade dos eleitos nas listas do partido socialista, deve assumi-lo frontalmente a apresentar queixa a quem de Direito! Sem mais insinuações e ataques camuflados! Se tiverem razão que os visados se demitam se não tiverem razão, que venham a público pedir desculpa e que assumam as suas consequências!

Só pelo nome vale a pena ir!

Não há maior distância que a proximidade forçada!

Não consigo fazer um catálogo de memórias, porque se esgotam no tempo, se fundem e confundem, porque são um único emaranhado de centenas delas, em embaraço de memórias, umas mais cândidas que outras, perdido nas minhas vivências, partilhadas  nas vivências de tantos outros, da minha e de outras gerações, que se derretem no tempo intemporal, no quintal das memórias partilhadas!
O facto de morar a 100 passos de distância, fez com que muitas vezes fosse ainda rameloso acordar nas águas quentes da piscina de Beja, onde passei infindáveis manhãs de verão, trilhões de tardes, porque o verão da minha infância eram três meses e uns trocados! Recordo ainda as noites na piscina - não apenas as noites em que havia provas de natação e íamos feito gulosos ver as meninas em fato de banho (recordas-te S.) - mas todas as outras noites de verão, em que a esplanada se enchia até rebentar, onde nunca havia uma mesa vazia, onde se comiam os mais rafeiros cachorros do mundo - mas que naquele tempo eram caviar - e as greend sands (ou panaske, como lhe chamam hoje!). Recordo ainda, já quando tentava ser homem, o restaurante no piso superior - que semanas depois virou bar - onde me fizeram um bonito jantar de despedida, onde conheci e me despedi de pessoas, onde passei várias noites de um difícil regresso a casa!

Regressei este Domingo à piscina! Apenas para ver, porque sou parvo mas não sou maluco! E é deprimente ver como morre aos poucos parte da nossa história! É irritante a imbecilidade de discutir o dia em que deveria abrir, quando aquela grande esplanada que guarda parte das nossas memórias está fechada, quando em cima morrem aos poucos os escombros do que há uma década era um bar restaurante, quando, com excepção da água e da relva ainda verde, o resto definha! Mas infelizmente por cá discutem-se os ramos, sem ver a árvore, sem perceber a floresta...

quarta-feira, julho 06, 2011

Porque não são apenas as mulheres modernas que têm dois lados: a vida também!

Não consegui evitar que casassem um dos meus ciganinhos à força, a pressão dos pais foi tal que o casaram à pressa e com uma miúda que ele nem conhecia, sem dentes com 14 anos. 
Todo o ano eu batalhei nisto, era o cigano que mais gostava de vir à escola e fazer as actividades.
Grande festa na rua, com os homens todos bÊbados e as mulheres todas submetidas aos caprichos. 
Apanhei-o sozinho e perguntei "Estás feliz, M...?" sabendo de antemão a resposta... Ele disse-me de olhos a tremer: "Não, professora...mas não pude fazer nada e agora tenho que me aguentar como um homem, é a lei cigana..." 
E à parte de tudo e todos estava a J. de olhos grandes e tristes, linda linda como só uma cigana sabe ser, com quem ele sempre namorou aqui na escola, escondidos dos pais... Um namorico tão bonito que eu tentei sempre proteger, mas só até onde esbarrei nas leis dos supostos homens...

Conto-te porque sei que percebes o porquê de me preocupar com um reles cigano que casou, pois se eu disser isto a mais alguém caem-me em cima a dizer que é só para o RSI...

Tudo vale a pena quando as maminhas não são pequenas!

As muito poucas pessoas a quem abro a minha intimidade, já sabem, que por esta época do ano, tenho uns dias de azia! Por razões que são sempre a mesma e que não me apetece falar: falarei um dia quando for para dizer tudo! 
Mas  não é por azia ou ressabiamento que escrevo estas linhas! Até porque sei bem que sou o único culpado, pelas escolhas que fiz, pelas que deixei por fazer! E, sou o primeiro a reconhecer, quiçá até tenha mais do que mereça, porque bem sei que sou um monte de defeitos e imperfeições! Com aspirações a melhorar e ser alguém decente... 

Muitas vezes, ao ouvir, ao ler, quando escutamos pretensas opiniões livres, esbatemo-nos com a terrível certeza que quase toda a gente vê o mundo pelo egoísmo cego dos seus interesses egoístas, que antes e primeiro de tudo colocam os seus mais escusos interesses ou, são imbuídos da mesquinhez típica dos idiotas cujos ódios pessoais cegam as suas análises!  Nem vou perder tempo em exemplificar: é assim nas opções políticas, nas escolhas dentro dos locais de trabalho, nas criticas sociais, na pretensa intervenção cívica e tantas e tantas vezes no relacionamento interpessoal!

Há um momento na vida em que precisamos de saber quais são as nossas guerras e deixar as batalhas dos outros! Porque esta coisa defender interesses altruístas, de batalhar por interesses colectivos, tantas e tantas vezes, é uma imensa parvoíce! Especialmente aqueles que têm a estúpida mania de dar a cara pelas suas convicções, sem desejar nada em troca! 

terça-feira, julho 05, 2011

Dizem-me com que acordas que eu digo-te com quem te deitas!


Nunca escondi que não sou fascinado por Passos Coelho: mas desejo que ele seja o melhor Primeiro Ministro de sempre porque, mais do que nunca, Portugal precisa! Mas precisa mesmo: bem sei que é mais fácil escrever lugares comuns, culpar os fascistas e os grandes interesses, exigir tudo de toda a gente, mas... para ser demagógico, já temos partidos políticos!
Obviamente que quando percebi que iriam retirar 50% do subsidio de Natal do remanescente do ordenado mínimo, tive um momento de imensa sexualidade e chamei todos os nomes do mundo a toda a gente! Como havia feito quando me cortaram no vencimento, há uns anos congelaram a carreira e como irei gritar no futuro quando repetirem gracinhas semelhantes!
Mas depois as hormonas acalmam e entendo: num País com um desemprego que nos esmaga, quem tem o privilégio de manter o emprego, deve entender que os sacrifícios são imprescindíveis! E reconheço que são medidas difíceis e que precisam de alguma coragem! Aliás, há um ano e meio atrás escrevi neste blogue que o corte de parte do subsidio de natal era indispensável! 
Mas coragem não é bater nos fracos e conformados! Porque bater apenas nos fracos não é coragem, mas cobardia! Da mesma forma que este e o anterior Governo quebraram um vinculo de confiança com os funcionários públicos e lhes cortaram os vencimentos para defesa dos superiores interesses do estado, importa que pela mesma razão, haja a mesma coragem, para impor a outros, os mesmos sacrifícios! Se este Natal o IRS é o saco das prendas do Pai Natal, não há nenhuma razão para que em sede de IRC não haja um imposto similar; se os trabalhadores por conta de outrem são sacrificados, urge usar os mesmos argumentos para renegociar os contratos do Estado, mormente as parcerias publico privadas e as grandes obras públicas que por aí ainda andam!Porque a diferença entre a coragem e a cobardia não é tão ténue como se parece...

segunda-feira, julho 04, 2011

Era uma vez um tipo que tinha Nobre no nome!

Fernando Nobre renunciou ao cargo de deputado! Porque sim! Porque parece que o tinha dito antes! Por pura parvoíce! Nunca endeusei Nobre mas, sobretudo, nunca o achincalhei, porque não esqueço que é bem melhor do que a maioria dos que o criticam!
Mas... esta renúncia entristece-me! Como a renúncia de todos os que fogem dos cargos que foram eleitos! É isto que torna a democracia um bordel mal frequentado!

Dizem que é assim uma espécie de metáfora!

Ainda que seja uma mulher deslumbrante e extasiante, comer uma mulher casada tem graça uma vez, pode ser giro repetir, mas há um momento em que urge avaliar e perguntar se vale a pena continuar... 

(não vou dizer mais! quem não percebeu, volte outro dia!)

domingo, julho 03, 2011

O verdadeiro ilegítimo gaspacho!

Por algumas coisas podia ser verão todos os dias! E não falo pelas malucas semi-nuas: é mesmo pelo doce prazer de comer uma sardinhada com gaspacho! Porque quem mora numa casa com cozinha interior tem de proibir a entrada a sardinhas assadas, vou ensinar o bom leitor a fazer o verdadeiro ilegítimo gaspacho, uma espécie de gaspacho ibérico!
Os ingredientes são os ingredientes do gaspacho, como é óbvio! Se não levasse os ingredientes do gaspacho, não era gaspacho! Começo por cortas os tomates - não me refiro aos seus, obviamente -, o pepino - (não me refiro ao do seu companheiro, esclareço), o pimento, a cebola e coloque tudo a namorar numa tigela grande! 
Depois, vire ao contrário a tábua onde cortou os legumes que provavelmente está húmida... e corte o pão alentejano duro em quadrados de meio centímetro! Repito! Meio centímetro! Porque se for mais ou mesmo menos, é absolutamente igual!
Tempere os legumes com azeite alentejano a vinagre a gosto! Se não gosta de vinagre, ponha pouco, mas coloque, porque um gaspacho sem vinagre é como um homem sem cornos! Depois de bem temperado junte água estupidamente fria - eu como sou florzinha, coloco água do Luso - e umas pedras de gelo!* E cubos de presunto! Sim! Os cubos de presunto são imprescindíveis no gaspacho! 
Depois é servir! E acompanhe com companhia!


* o atrasado mental que pariu estas linhas, esqueceu-se do mais importante! Passe pela varinha mágica parte deste preparado com alguns tomates! E junte!

sábado, julho 02, 2011

Eu não quero estar feito má lingua... (Com adendazinha....)

... mas o glamour contagiante* estava cheio de gente que comprava a roupinha para o Beja Wine Night!

* é aquele megaaaaaa bazar chines! 




Adendazinha: Uma vez por ano Beja é sem dúvida capital do provincianismo mesquinho! Ler o que escreve o diz por uma mera festa de homenagem aos vinhos alentejanos é a prova provada de como muitos bejenses são mesquinhos e parolos! Só gente parva se acha o máximo porque foi a uma festa ao Castelo! Só gente parva destila ódio porque alguns foram a uma festa ao Castelo! 
Em qualquer local do País tudo isto são coisas naturais: quem gosta de vinho e festas vai, quem não gosta não vai! Falar-se em elitismo porque se paga 20 Euros por bar aberto é coisa de parolos! 

O Castelo!



O edifício do castelo é mais uma prova da incompetência da Câmara Socialista de Beja. Localizado numa zona central da cidade é obsceno o facto de ter uma altura bem superior aos prédios que o circundam. Parece óbvio que violaria o Plano Director Municipal, que por certo apenas foi alterado para permitir a construção daquele mamarracho, após negócios poucos claros, mais que provavelmente relacionados com o financiamento ilegal da Beja Capital, provavelmente para pagar favores políticos!
Ainda por cima, estive a investigar e posso garantir que esta obra foi feita sem que o projecto tenha sido assinado por um engenheiro civil e, ainda mais grave, o arquitecto da mesma não está, nem nunca esteve inscrito na Ordem dos Arquitectos!
Por outro lado, é obvio que esta obra devia ter sido demolida há anos, sem que nada tenha sido feito. É chocante constatar que a obra necessita urgentemente de pintura ou, pelo menos, de ser cal, apesar de ter mais de três andares, não possui elevador e, contrariando todas as mais elementares regras, não tem vidros duplos!
Escandalosa foi a negociata que fizeram com o terreno: como é consabido, aquilo era um terreno agrícola que foi de forma inesperada autorizada a construção deste edifício, provavelmente numa marosca entre o empreiteiro e a vereação. Ainda por cima, posso garantir, esta obra foi feita sem concurso público sendo que, do ajuste directo, resultou que a construção ficou a cargo de uma empresa amiguinha do Presidente. Uma escandaleira
Mas a mim não me calam: vou continuar aqui para denunciar essa escumalha!