sábado, outubro 24, 2009

Porque perguntar não devia ofender...

Será assim tão importante perder tempo com o que José Saramago pensa da Bíblia? Ou dar tanto importância a isso é uma coisa assim um bocado para... o parvo?!

22 comentários:

  1. Interessante, a nova imagem do cabeçalho. Mas, por razões puramente estéticas, não seria adequado mudar tb a do perfil? É que, como se diria na terra do meu avô: a panela não joga com o testo!

    ResponderEliminar
  2. @mais uma - a única coisa coerente num homem são as suas contradições!

    ResponderEliminar
  3. Caro H: perdão. tinha-me esquecido por complecto desse gigantesco detalhe.

    ResponderEliminar
  4. Carlo Cipolla escreveu nas "Leis Fundamentais da Estupidez Humana" que não se sabe ao certo o número de estúpidos que há no mundo, mas, afirmou, que a estupidez se permanece constante! Ou seja, num grupo de pessoas ou numa classe, quer seja ela grande, pequena, alta, média ou baixa, importante ou menos importante, há sempre um número constante de estúpidos! E isso, infelizmente, nunca se alterará ao longo dos anos...portanto não é de ficar supreso quando alguém fica chocado e dá uma dimensão de fim-do-mundo porque alguém tem um pensamento diferente acerca de outras coisas e merdas assim...Mais estúpido é quando se trata de uma obra de um Nobel...

    ResponderEliminar
  5. Anónimo17:47

    O que vale ao Saramago é não se ter lembrado de mandar vir com os mouros mais o corão deles, senão nem tar la para Lanzarote o safava dos bin ladens deste mundo!

    ResponderEliminar
  6. Já estive em Hamburgo, sim senhor...

    ResponderEliminar
  7. Anónimo01:43

    H parece me que se tem dado mais importancia não propriamente ao que Saramago pensa da biblia mas a forma como expõe as sua opiniões...
    Sou católica e serei sempre, defendo que cada um deve ter direito e liberdade de se exprimir como bem entende,no entanto, a nossa liberdade termina onde começa a do próximo.
    Não consigo ler Saramago,a questão da falta de pontuação, complica me com os nervos.
    Mas o sr. terá de certeza o seu valor;afinal é um prémio nobel.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo03:13

    Estamos em democracia ou não?

    Respeitem a opinião do Saramago... afinal o homem sabe mais da Biblia que certos padres ehehehe

    ResponderEliminar
  9. É um facto que temos que respeitar a opinião de Saramago mas este também tem que respeitar a opinião dos outros e não ofender os demais só porque não pensam como ele. Eu não tenho nada a dizer sobre o que o senhor escreve nos seus livros, pois neles ele é rei e senhor; mas já tenho muito a preocupar-me com os comentários que este faz à religião católica e aos seus simbolos como é o caso da Biblia (um livro de história, um tratado de filosofia e um livro religioso). Convém realçar que a minha reacção não advém do facto de ser católica, porque o sou, mas reagiria do mesmo modo se ele atentasse contra outra religião! Há valores que devemos respeitar e um dos mais importantes é o respeito por quem é diferente de nós e pensa de modo diferente. José Saramago nesta polémica está a comportar-se tal e qual como aqueles que critica..... contesta mas porta-se de modo igual...... este assunto não merece mais comentários!!!

    ResponderEliminar
  10. Saramago é livre para fazer o que quiser, tanto na crítica como o elogio, não pode é faltar ao respeito aos muitos portugueses católicos que nunca se meteram com ele. Que diria José Saramago, se lhe dissessem que ele é um espanhol convicto, que não gosta do nosso país, e que só aparece cá, para vender livros e criticar os que cá moram. Já agora vejam o significa a palavra Caim.

    ResponderEliminar
  11. Caim? Caim é um nome proveniente da Bíblia, julgo eu, um dos filhos de Eva e de Adão. O que significa não sei nem sei se interessa.
    Saramgo a meu ver respeita as opiniões de tudo e todos e, a meu ver, é a opinião dele retratada no livro Caim que não está a ser bem respeitada(digerida), aliás, ele apela à heresia e a dissidência!!!

    ResponderEliminar
  12. Caim? Caim é um nome proveniente da Bíblia, julgo eu, um dos filhos de Eva e de Adão. O que significa não sei nem sei se interessa.
    Saramgo a meu ver respeita as opiniões de tudo e todos e, a meu ver, é a opinião dele retratada no livro Caim que não está a ser bem respeitada(digerida), aliás, ele apela à heresia e a dissidência!!!

    ResponderEliminar
  13. Repondo os factos históricos, Caim não é filho de Adão e Eva, mas é irmão de Abel!

    ResponderEliminar
  14. Google->Caim->1º link

    Diz lá, Pais: Adão e Eva

    ResponderEliminar
  15. ...Segundo a Bíblia, Caim teria sido um dos primeiros (não exclusivamente o primeiro) homem nascido de gravidez normal na terra, resultado das relações sexuais de Adão e Eva...percebeu?

    ResponderEliminar
  16. Anónimo14:34

    Para quê tanta discussão? O sr. Saramago é deveras muito melhor markeeter do que escritor, e já percebeu que se arranjar uma polémica para cada livro que escreve, vende o dobro. Só isto. Como não pode marrar com os Mouros, senão já não edita um próximo livro (e os Mouros não leem Saramago, apenas os Tugas e os Brasucas), marra com os Católicos. Até dá jeito para realçar que é comunista.
    Moral da história: os burros somos nós em dar atenção ao velho, que de xéxé nada tem.

    VMR

    ResponderEliminar
  17. Ao menos[os que lêm] sabem bem que o dinheiro é bem gasto...não sei se sabes, VMR, mas José Rodrigues dos Santos escreveu sobre o Corão e???? Ouviste alguma voz mulçumana a queixar-se??? Os burros são aqueles que levantam as orelhas! Saramago só teve a amabilidade de, com a sua magnífica imaginação, descrever a história que entendeu quando leu o livro...lê quem quer e ninguém é obrigado a comprar nada, há coisas interessantes e a escrita de Saramago é uma delas...

    ResponderEliminar
  18. Ao menos[os que lêm] sabem bem que o dinheiro é bem gasto...não sei se sabes, VMR, mas José Rodrigues dos Santos escreveu sobre o Corão e???? Ouviste alguma voz mulçumana a queixar-se??? Os burros são aqueles que levantam as orelhas! Saramago só teve a amabilidade de, com a sua magnífica imaginação, descrever a história que entendeu quando leu o livro...lê quem quer e ninguém é obrigado a comprar nada, há coisas interessantes e a escrita de Saramago é uma delas...

    ResponderEliminar
  19. ....e gostos não se discutem!
    Mas respeitam-se!

    ResponderEliminar
  20. Anónimo19:51

    Saramago e os seus pensamento expressos em palavras, estão a dar tanta polémica porquê?
    Porque simplesmente, o homem se identifica com uma certa cor politica.
    De facto todos nós que somos católicos, que frequentámos a catequese, sabemos que a Sagrada Escritura está cheia de textos que assustam qualquer criança.
    Desde as mortes no egipto com Moisés, até à história de Ben Hur, David e Golias, etc, todas estas histórias épicas estão pejadas de morte e são sombrias.

    De facto, estou convicto que Deus não tinha intenção de ensinar o evangelho desta forma, se Deus é amor, graça, amizade, perdão, não se identifica com este tipo de barbaridades.

    É isto que Saramago nos quer dizer, talvez não tenha escolhido a melhor forma, mas o problema não está própriamente no conteúdo, mas sim na forma.

    Crucificar Saramago porque reproduziu estes pensamentos, é de louvar, pois a igreja, e todos os católicos, têm aqui uma razão para discutir um livro que poucas vezes é discutido, o prémio nobel, deu-lhe mais visibilidade do que muitos homens da igreja.

    ResponderEliminar
  21. Anónimo19:58

    H em vez de mostrares o livro de Marx, deverias mostar a Bíblia Sagrada, pois é deste segundo que se fala.

    Mas se queres colar as palavras de Saramago à expressão "a religião é o ópio do povo", não tens que o esconder, porque de facto a história mostra que assim é. Todas as religiões que são levadas ao extremo, têm resultado em grandes carnificinas, vejamos exemplos; cruzadas da idade média; talibãs; as mortandades na India inter religiões, etc.

    Sou católico apostólico romano, e não me repugna a máxima de Marx.

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!