domingo, janeiro 31, 2010

Quando a morte vem

Morreram, ontem no Mundo milhares de pessoas. Em Beja morreu, Joaquim António Garrido Tareco, um jovem,tinha 44 anos, deixa mulher e filhos. Implacável, estúpida e brutal ordenou que se sentasse na cama e num ápice fulminou-o. Chama-se morte e tem o poder de tirar a vida às pessoas, concede-lhes, no entanto, o tempo que medeia até à sua chegada. Tempo que homens e mulheres dispõem para concertarem o Mundo, se quisessem.
Acabo de sair do cemitério, centenas de pessoas acompanharam-te a uma estranha, cidade, onde reina o silêncio e a saudade, onde o que fora vida ali reside e a palavra vida não faz sentido pronunciar.Não me envergonharia de fazer-te um elogio, mas guardo-o para mim e hei-de faze-lo em recolhimento.
Adeus Tó, nunca mais soltarás aquelas contagiantes gargalhadas, nunca mais riremos com as tuas anedotas, nunca mais te censuraremos do que fizeste e não devias ter feito, nem do que não quiseste mas fizeste
Paz à tua alma M.D.Horta

4 comentários:

  1. Anónimo18:55

    RIP

    Uma personagem controversa e paradigmática de Beja..

    Fica a saudade de quem se vai sem avisar...

    ResponderEliminar
  2. Ficamos sempre um bocadinho mais pobres quando vemos partir alguém de quem gostávamos, um bocadinho nosso também vai.
    Lamento pela perda.

    ResponderEliminar
  3. here you can find Viagra the best solution for ED treatment ,
    Viagra every 6 hours every day.

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!