terça-feira, julho 27, 2010

Esta é que é a merda...

E enquanto vingar este entendimento, eu não acredito no Aeroporto de Beja!

10 comentários:

  1. E tu achas que isso vai mudar ?

    ResponderEliminar
  2. Lou - Respondo frontalmente e sem merdas: acho que pode mudar! Se houver colhões para lutar para isso!

    ResponderEliminar
  3. Vou ter que dizer mais uma vez que vocês, "h" incluído, não percebem nada disso não atirem pedras para o ar. Vou dizer mais uma vez, não há problemas com os militares sobre o aeroporto. É normal os civis serem a última prioridade numa base militar. É o que acontece na Base das Lajes aeroporto da ilha Terceira em que a primeira prioridade são: as evacuações sanitárias, os voos militares portugueses, os voos americanos, os voos de terceira nacionalidade militares e no fim os voos civis. Acontece que nas Lajes saem os voos para o Grupo central e oriental da Sata, os voos internacionais da TAP, os voos domésticos da TAP, da SATA internacional e já viram alguma coisa no jornal sobre atraso nos voos. Quando lá estive colocado a TAP fazia questão de nos oferecer prendas no natal pelos serviços prestados. Não sejam toscos a ouvir tudo o que vos dizem só para o aeroporto não andar. O problema continuo a dizer é só político e um desinteresse total da ANA em assumir o aeroporto e do INAC em o certificar. Para mais informação é só contactar-me neste Blog.

    ResponderEliminar
  4. Penso que o erro partiu da iniciativa de utilizar uma pista já existente e não fazer uma infra-estrutura de raiz. Fora isso e agora que já está tudo construído a única coisa a fazer será a empresa que vai explorar o aeroporto civil ter um entendimento muito próximo com a força aérea, algo que não vejo a acontecer neste caso especifico.

    Cumprimentos...

    ResponderEliminar
  5. João Bento
    Para fazer uma nova infra estrutura de raíz teria que ser a norte de Évora visto que o espaço aéreo até Évora é de responsabilidade militar, e nisto de espaço aéreo para se mudar alguma coisa nem daqui a 100 anos. Só para se montar uma linha de coordenação directa entre Évora e a base demorou 2 anos. E fazer uma pista de aterragem não é o mesmo que meter alcatrão numa estrada. A pista de Beja tem 60 metros de largura enquanto uma pista normal tem 45 metros, e espaço quanto queira para aterrar os maiores e melhores aviões do mundo e arredores, galáxias e universos, penso eu de que.

    ResponderEliminar
  6. doron mete o viagra no charlie uniform

    ResponderEliminar
  7. Anónimo14:53

    Boa leitura Pikas(que é tão só a realidade) por sorte de vez em quando vai aparecendo neste blog alguem que sabe do que fala, porque a maioria (dono incluido) é só bitaites. Não que daí venha algo de mal ao mundo, o mal é eles levarem-se e leverem-nos demasiado a sério.
    Os militares não são santos nem virgens e defendem, e bem, as suas posições, mas daí a culpar os militares pelos atrasos no Terminal Civil da BA11 é só para quem não sabe do que fala.
    A ideia de construir uma pista nova, dá para os dois lados, para rir, pelo ridiculo e para chorar pela ignorancia.
    E já agora porque não duas e uma torre de controle e pessoal e equipamento próprio e civil para controle de tráfego aéreo?
    Perdoai-lhe senhor que eles não sabem o que dizem...

    ResponderEliminar
  8. Caro Anónimo... Eu não falei só da pista mas também de toda a infra-estrutura. Os militares podem bem partilhar o espaço aéreo com os civis como o que acontece em tantas cidades a nível mundial que partilham espaço aéreo entre mais de um aeroporto civil. Onde eu vejo maior dificuldade aqui é mesmo na partilha das infra-estruturas que são militares e não civis (pelo menos a maioria).

    Mas se é de ignorância que falamos, basta ver ao tempo que as coisas se encaminham, bem como o futuro que vai ter este projecto com uma só pista, torre de controle, equipamento e pessoal militar!
    Ninguém culpa os militares, todos culpam as politicas de e para com os mesmos, politicas essas que estão a tornar este projecto num autentico desastre.

    Isto tudo claro a meu ver... Não estou aqui para criticar opiniões, apenas para partilhar as minhas.

    Cumprimentos...

    ResponderEliminar
  9. João Bento
    Asseguro-lhe que as únicas infra-estruturas partilhadas são: as pistas (são 4, pista 19L, pista 19R, pista 01L e pista 01R), alguns caminhos de rolagem, a torre de controlo e é impossível haver 2 num aeródromo. O resto, quanto a mim mal, não é partilhado já que os militares não usufruem de 70% do espaço que têm. Quanto ao pessoal militar no qual me incluo, um civil custa só, somente mais 5 vezes para fazer a mesma coisa e sem a mesma qualidade. Só para ter uma ideia a EDAB construiu uma infa-estrutura que não pode ser certificada sem novas obras. É o estado que temos e ganham estes senhores ganhos de produtividade daquilo que não fazem ou fazem mal.

    ResponderEliminar
  10. Sr anónimo
    Os militares estão institucionalizados, o que quer dizer que não mandam nada neste país e quem disser o contrário mente descaradamente. Se o ministro da tutela disser para se fazer alguma coisa os generais dizem logo, só uma, podemos fazer ao mesmo tempo duas, e ainda nos sobra tempo. Eles têm medo da própria sombra. Com isso ganham prestígio e mantêm o cargo. Neste caso o problema é mesmo politico. Mas deve estar para breve, talvez mais uns meses ou anos.

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!