segunda-feira, julho 19, 2010

Os cuicos como exemplo da portugalidade

Este post exige uns preliminares que permitam a interpretação de quem tem paciência para me ler, mormente aqueles que, longe de Beja e sem ligações à nossa cidade, me dão a enorme honra de visitarem um blogue assumidamente parvo e regionalista!
Os cuicos é a designação pouco abonatória dos habitantes de um lugarejo chamado Monte Gordo, provavelmente a praia mais bonita do País, absolutamente estragada pela gula do betão, que conseguiu a inaudita proeza de estragar um local divino, com a particularidade extraordinário de nenhum prédio estar em harmonia com o que está exactamente ao seu lado. Monte Gordo, como boa parte do Algarve, sobrevive à custa dos turistas no mês do Verão (a escolha do singular foi propositada!). Apesar disso os cuicos tendem a odiar os turistas! (obviamente com excepções, eu própria na minha juventude conheci cuicas muito amigáveis!)
Obviamente que quando chega o Verão, em Monte Gordo o estacionamento é caótico: MG é em Portugal e este é um estranho País onde não se conhece a noção de ordenamento do território, pelo que impera a lei do tudo é permitido, ainda que estúpido e aberrante!
Mas aqui há peculiaridade que penso ser única no País e no mundo: os cuicos (e outros tais) para garantir estacionamento na porta de casa, reservam os lugares colocando garrafões de água: quem desrespeita a regra, contribui para o bem estar de bate-chapas e pintores de automóveis! E esta é uma prática que tem tantos anos que se tornou lei, sendo estes lugares propriedade dos moradores por usucapião!
O que diz muito de nós e do nosso País: apesar do Algarve viver do turismo, quem vêm de férias para esta zona sente em cada instante o indisfarçável incómodo com que são recebidos, os malvados turistas que vêm para cá ocupar os espaços dos outros, poluir as ruas, encher os restaurantes, provocar filas e bichas no pão e no supermercado! Para perceber a riqueza da metáfora, basta um fim-de-semana na Madeira, onde por honra e graça do Rei Jardim, os habitantes há muito interiorizaram que o turismo é uma fonte de virtude e dinheiro!
Mas os madeirenses são portugueses esquisitos: porque dentro de cada tuga do continente há um cuico, alguém cujo único desejo na vida é não ser incomodado, estando-se literalmente nas tintas para os outros!
E quando se pergunta porque Portugal é atrasado, a resposta é simples: por culpa do Sócrates, do Santana, do Barroso, do Guterres, do Cavaco, do Soares, do Balsemão, Sá Carneiro, Pintasilgo, Mota Pinto claro, Marcello e Salazar...

33 comentários:

  1. O problema dos Madeirenses é que a gente não entende patavina do que eles dizem. Consegui estar para mais de meia hOra a "falar" com um taxista e não entender mais do que 3 ou 4 palavras do que ele disse :( .

    Eu sei que isto não tem nada a ver com o post mas também sei que gostas de assuntos polémicos. Olha ai:
    http://aiiijasus-saradenise.blogspot.com/?zx=d5139ea6b34bd212

    ResponderEliminar
  2. Sempre pensei que os garrafões com água eram para afastar as moscas...enfim...
    Monte Gordo é a praia das gentes do Alentejo. Alguns até levam mantas de Castro Verde para, em Monte Gordo, dormirem ao "relento"...
    A culpa é dos costumes e de tantas parvoíces pretéritas que teimam em presidir ao quotidiano de 2010.

    ResponderEliminar
  3. "Pintasilgo"
    Ainda bem que o blogue "Viagra e Prozac recorda a Maria de Lurdes Pintasilgo. Para mim foi uma especie de Amália Rodrigues da política.

    O Presidente da República, Jorge Sampaio, em nota emitida pela Presidência da República, em 10-07-2004, escreveu:

    "[...] cidadã notável, que serviu Portugal nos mais altos cargos e funções, sempre com grande talento, dedicação inexcedível e numa atitude permanentemente inovadora"

    "[...] como primeira-ministra, embaixadora, deputada ao Parlamento Europeu, marcou a sua acção por um sentido ímpar de serviço à comunidade, pela energia contagiante e mobilizadora, pela originalidade de propostas e métodos de trabalho, que sacudiam as rotinas do pensamento e os hábitos instalados, pela militância nas grandes causas emancipadoras e solidárias do nosso tempo".

    "Militante católica, intelectual universalista, mulher de reflexão e de acção, a sua palavra foi, muitas vezes, pioneira e abriu novos horizontes."

    ResponderEliminar
  4. Tenho cuicos a morar na minha rua...lol

    ResponderEliminar
  5. ´1- os cuicos são meia duzia e vivem no bairro dos Pescadores, os outros são muitos deles como tu: alentejanos, mas sem travões
    2- se o algarve vivesse só do turismo , coitadinho do Algarve
    3- animosidade?
    já viste como é que o pessoal se comporta qdo está por lá?
    para além de andarem dempre a queimar osovaco esquerdo com saudações, querem tudo para ontem, os precos aumentam para o dobro, não consegues estacionar onde sempre estaccionaste, basicaente não há respeito por quem lá vive
    o dinheiro não é tudo, sabias?
    só meia duzia é que beneficiam
    sei de casos de pessoas que vão viver para as garagens só para terem uns trocos quando alugam as suas casas no Verão
    os indios da meia Praia também são cuícos sabias?
    vieram da zona de Leiria, Peniche, etc, e também dos Vila Realenses que foram corridos das suas casas depois do Terramoto de 1755

    ResponderEliminar
  6. Tudo isto pode fazer algum sentido.
    Por partes. Cuicos foi uma palavra que me pareceu familiar. Após fazer um "reboot" e limpar a memória, consegui, a custo confesso, aceder ao banco de dados. Foi então que me lembrei que a palavra em espanhol significa "policial". Agora tudo faz sentido. Alguém conhece um policial simpático, prestável, que não estacione a viatura de serviço num lugar para "deficientes" enquanto vai almoçar ou preencher o totoloto? Ora tão próximo da fronteira...
    Isso ou um problema genético dos "tugas". Porque afinal há um "cuico" dentro de todos os portugueses. Qual o factor que despoleta as crises de "cuiquisse" acho que ainda está a ser investigado.

    ResponderEliminar
  7. Conheci a madeira à já alguns anos. Talvez uns 10 (tenho que lá voltar).
    E fiquei impressionado com a forma como a Madeira está preparada para receber. Receber pessoas. E a forma como os madeirenses têm interiorizada a industria do turismo. e como fazem disso um modo de vida.
    A verdade é que se fosse já ali como é o Algarve, estava destruída. Porque a distância mantém os "tugas" com sintomas de "cuicos" longe. Abençoada Madeira (não conheço, ainda, os Açores).
    :)

    ResponderEliminar
  8. Anónimo12:00

    Este post diz muito sobre o seu autor.
    Mais coisa menos coisa a leitura sobre os "cuicos" é esta:
    Os tipos são uns mal agradecidos do caraças, nós vamos para lá dar-lhe de comer e eles mordem a mão do dono. Eu não tenho nada contra os "cuicos" até comi umas "cuicas" muita giras. Tipo a coisa mais racista que existe que é: os pretos são uma raça danada, mas eu até tenho um amigo preto.
    Por certo eles não conhecem ainda a campanha "Um turista um amigo" lançado no Alentejo e ponham os olhos no povo da Madeira e aprendam.
    Para o autor os "cuicos" deviam ser assim uma especie de indios numa reserva que serviam de atracção aos turistas, que nos meses de verão ocupariam a reserva para seu uso.

    ResponderEliminar
  9. O Algarve não vive do turismo?
    Então vive de quê?

    Se formos a qualquer lado e estiver limpo, arrumado, organizado, silencioso, houver simpatia, educação, quem é o primeiro a querer destoar?

    Porque afinal conheço muitos locais frequentados por portugueses (até talvez muitos cuicos) e eles sabem respeitar.
    Basta por exemplo visitar o norte de Espanha, a Galiza (por exemplo Sanxenxo) onde nos meses de Verão se falará talvez mais português do que espanhol e ver a diferença.
    Porque quem recebe o faz como na Madeira. O turista é que importa e tudo o que há lá de bom é para este usufruir.
    Por isso também o comportamento das pessoas difere. E muito.

    ResponderEliminar
  10. Nota:
    quero salvaguardar que gosto do Algarve. Gosto do tempo que faz no Algarve. A minha família adora praia e tem sido o meu destino de férias de eleição por esse motivo. O Norte é frio e incerto.
    Algarve tem, genericamente pouca qualidade. É assim a modos que uma linha de montagem de turismo. Que podia ser melhorada podia. E devia.

    ResponderEliminar
  11. @anónimo - Se ainda não aprendeu a ler, não serei eu que o vou conseguir ensinar!

    ResponderEliminar
  12. Anónimo14:50

    Mais uma excepcional crónica!

    ResponderEliminar
  13. Paulo Novais: em que Planeta é que você habita?ou tomou o azul em vez do cor-de-rosa?
    qual é o seu Algarve???
    monte gordo, a. pera Quarteira albufeira e rocha? então esqueça tamos conversados
    quanto ao resto, volto a frisar e a bold maiúsculas: tava bem lixado o Algarve se só vivesse do turismo!

    os seus nacos de prosa são de bradar aos céus: limpo, silencioso????

    ResponderEliminar
  14. JP - De que vive o Algarve?!

    ResponderEliminar
  15. Anónimo16:13

    olá H, concordo contigo.
    Tb vou ha muitos anos para monte gordo.
    gosto, mas a hospitalidade é péssima.
    Mas que em qualquer lado que vamos, parece que nos estao a fazer um favor em nos atender.
    Por isso quando vou de ferias, levo o avio feito.

    ResponderEliminar
  16. @JP

    Para tentar ficar sério e responder-lhe é preciso tomar um de cada. Um azul e o rosa.
    Mas diga lá. De que porra vive o Algarve para além do turismo.
    E não estou a falar de alfarroba!

    ResponderEliminar
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  18. Paulo: só para lhe dizer que não sou apologista de discursos redutores. tipo o norte vive do vinho do porto,a madeira, da corrupção da offshores, os açores da carne de cachalote, a beira alta da cereja, trás os montes do centeio, Alentejo do azeite espanhol, mas isto leva-nos a que?
    volto a frisar que quando se diz que o Algarve é só praias bifes golf e cheiro a cerveja e a mijo depois das 4 da manhã, é disto que eu estou a falar, eu vivo cá, participo no tecido social, económico, etc
    isto é 1 deserto de out a junho, depois é de fugir
    são muitas realidades económicas: leia no site da ccdr algarve(esta tb é para o h), o retrato económico da região, depois falamos
    não leve a mal a rispidez, é que farto de gente mole estou eu!
    não é defeito é mesmo feitio, não me leve a mal, ok?

    ResponderEliminar
  19. Sr. Engº Faxo19:25

    Piores que os cuícos são os pobres de Beja que, desde há alguns anos, passaram a frequentar o dito areal e esplanadas de MG. Estão em todo lado, é um inferno, não há como escapar.
    Saudades da bela Praia de Monte Gordo, dita praia (só) dos ricos em que as pobres iam apenas para cozinheiras e criadas de servir das pessoas que realmente interessam: os ricos.

    Ó Tempo volta para trás ...

    HEHEHEHE :)

    http://www.youtube.com/watch?v=zo2eThPMgxE

    ResponderEliminar
  20. LOLO TEJERO21:15

    Para evitar os CUICOS não há nada como as areias de Antilla , designadamente as que circundam o Chiringuito do Stefan

    ResponderEliminar
  21. Por acaso, sei onde fica! Mas.. nada me move contra os cuicos! A melhor parte de mim é algarvia!
    Foi apenas uma metáfora sobre a forma tuga de estar na vida!

    ResponderEliminar
  22. @JP

    Não peça desculpa pela rispidez. Estamos a conversar com civilidade e eu também sou de impulsos.

    Mas em função desta nossa conversa fui muito depressa fazer uma pequena pesquisa e encontrei isto que seleccionei, embora referente a 2009, por ser um jornal representativo de uma das maiores cidades do Algarve.
    Ora não podia ser mais esclarecedor. Repare que também no site que me recomendou, o SIDS do Algarve aponta para que a industria ligada ao turismo (hotelaria, restauração e comércio) ultrapassa os 40% (em 2004). Sem considerar a parte dos sectores da construção, serviços e imobiliárias que vivem também em função do turismo da região.
    Mas repare que considero isso uma coisa boa. Muito boa mesmo. Quem me dera ver a zona marítima do Minho com essa pujança e oferta de turismo (mais organizado e regrado, confesso). Era excelente para colmatar outros problemas económicos da região.
    Quanto ao comportamento das pessoas, sou da opinião que a desorganização e a falta de regras são também factores para a chamada "balda". Mas nada disso serve como desculpa. Porque em ultimo caso é sempre uma questão cívica e de educação. E neste caso, infelizmente, o "tuga" em geral não prima pelo exemplo.

    ResponderEliminar
  23. Anónimo09:16

    Paulo, inteiramente de acordo, obrigado pelo link fiquei mais esclarecido
    mas nunca se esqueça que quem controla a economia e quem a gere DE FACTO, mesmo num nível regional, são meia duzia de pessoas, o resto é carne para canhão, sejam emigrantes como locais menos letrados que são sugados até ao tutano em copas de cozinha, a aparar relva dos golfs, a limpar quartos, tudo profissoes menores apregoadas por esses promotores dos PIN s ue apregoam sempre que ireão proporcionar 1000 000 empregos directos e 5 milhões de indirectos
    se o turismo é o motor económico do Algarve bem estou eu que arrendei 1 a horta e faço agriultura biológica qui na Sulitânia, e olhe que tenho 1 mestrado (o que não faz de mim nem melhor nem pior que os outros, obvianete)

    ResponderEliminar
  24. anónimo que penso ser o JP - Estamos de acordo num ponto: a forma errada como o turismo é desenvolvido no Algarve! E até o seu peso claramente excessivo! Vamos ao Sul de Espanha e percebemos que se pode apostar no turismo sem matar a agricultura, por exemplo!

    ResponderEliminar
  25. @anónimo (que também acho que é o JP)

    Repare que eu não estou a falar de quem ganha o quê e como.
    Isso é outra guerra.
    Estamos a falar daquela que é, em minha opinião, a principal fonte de receita do Algarve, o turismo.
    Quanto ás queixas que expressa, acredito que totalmente fundamentadas, cabe aos que aí vivem mudar aquilo que acham que está mal. Não basta queixarem-se e resmungarem por aqueles que vos trazem receitas todos os anos (montes dela) vos fazem dores de cabeça e vos retiram os lugares de estacionamento.
    Vocês não têm aí eleições como o resto do país? Regionais e nacionais. Então escolham os vosso lideres de acordo com as vossas necessidades.

    Os meus parabéns pelos "tomates". Não só os vegetais mas também pela coragem de remar contra a maré com a sua "horta", biológica ou não.
    O principal objectivo se qualquer povo deve ser a sua auto-sustentação, a começar obviamente pela de sobrevivência, alimentação e água.
    Sou fã absoluto de tudo o que é nosso (português) e dou total preferência sobretudo na alimentação (ás vezes não se consegue).
    Felizmente no Minho isso é uma prática corrente. É fácil e barato arranjar quase tudo "caseiro" ou da região.
    Parabéns novamente (com ou sem mestrado).

    Concordo com a observação do H.

    ResponderEliminar
  26. Excelente texto! O mesmo já me aconteceu em Quarteira e - vá lá, safei-me, afinal, sou estrangeiro :))

    ResponderEliminar
  27. sim, sou eu sim
    para terminar, que isto cansa, e tenho a horta para regar, tenham a sensibilidade de perceber quem quem está por cá, e não beneficia do turismo directamente (que é uma larga maioria), não está para aturar stressados, que querem tudo para ontem, que são a maioria dos turistas, a acrescentar aos Espanhóis que parece que tem problemas auditivos e berram por tudo e por nada.
    acabam por pagar uns pelos outros que não é justo, mas é assim
    por mim fiquem todos por monte gordo, pelo lidl e intermarché, pelo manta beach, manta rota e afins, comam nos restaurantes da moda, e deixem-me em paz!

    ResponderEliminar
  28. JP - No meu caso, prometo!
    Adoro o Algarve, excepto no Verão!

    ResponderEliminar
  29. Por mim idem, que este ano nem vou ao Algarve.
    Boas regadelas.

    ResponderEliminar
  30. É verdade sim senhor, os algarvios recebem-nos mal e vamos lá como turistas,dar o nosso cntributo para aquilo de que eles vivem. Monte Gordo tambem é a minha praia favorita e noto que os "cuicos" são intraráveis. Mas o melhor é terem posto os três parques de acesso à praia com estacionamento pago a 80 centimos/hora.Uma vergonha...

    ResponderEliminar
  31. Anónimo13:44

    cc, tens razão devia era pagar se 8 euros/hora
    80 cêntimos?? Que é que é isso, meu irmão (Jorge Perestrello)
    PS:dispensamos o teu contributo, tenta a Isla Cristina, aquilo é que é: ate falam espanhol por la, um espetaculo!e Eles la não são nada intratáveis, ate ganharam a copa do mundo...

    JP

    ResponderEliminar
  32. Anónimo15:43

    Toda a gente a MASTURBAR-SE sobre os CUÍCAS.... Eles são o resto dos descendentes dos ILHAVOS que o MARQUÊS DE POMBAL levou para o Algarve para pescarem..... Eles têm costumes muito proprios e são muito teimosos e individualistas como os ILHAVENSES... Quando o Marquês lhes queimou as palhotas para os obrigar a habitar Vila Real de Santo Antonio eles partiram para ISLA CRISTINA e só regressaram uns anos depois... Tambem são cantados por Zeca Afonso nos «INDIOS DA MEIA PRAIA».

    Antonio Angeja

    ResponderEliminar
  33. Anónimo18:16

    moooôco vás á vilaa?
    frase muito dita na minha época

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!