domingo, março 21, 2010

Para o leitor comentar!

5% das mulheres que fizeram interrupção voluntária da gravidez em 2008, repetiram em 2009!

16 comentários:

  1. Anónimo01:14

    que merda de post é este ??
    Toda agente já sabia que estes eram os efeitos, sem educação sexual e com uma saude familiar de neter nojo o que é que se esperava? neste pais começam-se as casas pelo telhado!

    ResponderEliminar
  2. Pelo menos não se sujeitaram a morrer em condições de merda que potencialmente poderiam-nas ter morto, podendo satisfazer de novo, assim, optimamente os seus clientes. Am I right?

    ResponderEliminar
  3. Anónimo01:25

    E desculpe lá Hewitt mas isso também é uma merda de um comentário não são de todo essas as usuárias desse novo direito. São todas as mulheres até as que pagavam 500 e mais euros pelo mesmo serviço.

    ResponderEliminar
  4. Lou a esquizoffrenica, foram só 5%...está tudo bem, contudo.
    O H não referiu, porque não precisou, que as restantes 95% estão felizes neste momento sem qualquer preocupação futura que, potencialmente, condicionariam as suas vidas.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo01:30

    E ainda bem porque foi esse o objectivo da lei .

    ResponderEliminar
  6. Então qual é a cena? Antes da lei, haviam gajas que faziam 7, 8, 9, cheguei a ouvir 14 inclusive. Podes expor todos esses argumentos(os teus,os meus e de toda a gente) porque para elas: É tudo uma questão de negócio...

    ResponderEliminar
  7. Anónimo01:41

    Sim vai existir sempre esse lado da coisa tens razão.

    ResponderEliminar
  8. Mas não te preocupes, porque esse lado mau da coisa não é, certamente, uma obra para a vida inteira.

    ResponderEliminar
  9. Hugo:
    A única coisa que te posso dizer, conhecendo um outro lado dessa realidade, é que nas gravidezes não desejadas, em que há apoio para a não interrupção, a reincidência - nova gravidez não planeada - também é assustadora. E olha que no caso estou a falar de gravidez na adolescência, ou seja, serem mães pela primeira vez pelos 15/16 e aos 17 estarem na mesma situação. Se queres que te diga, a noção que quem está e campo vai tendo - tanto para os que lidam com a interrupção como os que lidam com o apoio à gravidez em condições adversas e até mesmo aos que estão no campo da prevenção e do planeamento familiar - é que existe uma total falta de responsabilidade nos comportamentos. Sendo assim, encontrar uma solução mágica parece-me missão impossivel. Só vejo um caminho, não desistir de tentar...

    ResponderEliminar
  10. Anónimo22:31

    Em 2010 vão fazer a mesma coisa!

    E...nós os murcões, vamos continuar a pagar "involuntariamente", para que suas excelencias continuem a "F*****" e a abortar voluntariamente....enfim!

    Note-se eu não abordei a questão "filosofica" da coisa, para quê??!!

    Toda a gente sabe como se deve evitar o aborto, para não dizer evitar a gravidez!

    ResponderEliminar
  11. Como alguem aqui já disse não há nesta questão um ponto de equilibrio e a "questão" tem sempre sub questões e muitos novos problemas.
    Antes de mais é necessário fazer muito ao nivel da educação e da prevenção.....
    Mas a boa verdade é que todos falam mas esquecem-se que o que se pretendeu com a alteração da legislação foi a despenalização do agente que se submetia a essas praticas e não o incentivo à pratica do aborto como metodo contraceptivo.
    Enfim, como disse há muito a fazer no campo da educação dos jovens portugueses....
    Com isto tudo só posso dizer que anda meio mundo a pagar para não estar gravido (a) e outro meio a pagar para engravidar....

    ResponderEliminar
  12. Anónimo23:14

    mcv:"Mas a boa verdade é que todos falam mas esquecem-se que o que se pretendeu com a alteração da legislação foi a despenalização do agente que se submetia a essas praticas e não o incentivo à pratica do aborto como metodo contraceptivo.
    Enfim, como disse há muito a fazer no campo da educação dos jovens portugueses...."....então a lei deveria ter sido outra!!!!

    ResponderEliminar
  13. Concordo que muito deveria ter sido feito antes desta legislação, mas também era hipocrisia continuarmos a levar a julgamento as mulheres que se submetessem a aborto e continuando a viverem livres e sem quaisquer problemas as pessoas que praticavam os abortos e a ganhar "fortunas" com tal pratica.
    Enfim, como já havia referido, o equilibrio nesta questão é dificil de obter.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo13:29

    MCV: ...vamos legalizar o consumo da cocaina!

    ;)

    ResponderEliminar
  15. here you can find Viagra the best solution for ED treatment ,
    Viagra every 6 hours every day.

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!