quinta-feira, outubro 16, 2008

O menino da lágrima

Sempre me fascinou este quadro. Confesso que não me recordo concretamente onde, mas tenho a quase certeza que algures numa parede que me acolheu, esta pintura imponha-se ao branco da cal. Cometo mesmo a imprudência de confessar que numa fotografia minha que virou pintura, reconheço o mesmo rosto o mesmo olhar.
Sem certezas, vou atribuir a pintura a Franchot Seville, que terá ficado conhecido por Bragolin, provavelmente de origem espanhola (embora se especule que possa ser italiano ou brasileiro).
O quadro está envolto em profunda controvérsia e misticismo: desde logo, esta será uma de quase trinta versões onde são retratados petizes, de parcos recursos, órfãos ou abandonados, que carregam no rosto e olhar as tristezas de uma vida.
Especificamente sobre este quadro, o grande mistério é saber quem é o menino. Apesar de existir a tese de que o retratado é português, Rogério por baptismo, sou apologista da tese mais catastrófica, que reza ser o menino um órfão madrileno, que perdeu a família após um incêndio, comovendo Bragolin que após o retratar, acolheu-o como filho.
O Padre da paróquia procurou demover o pintor da intenção de o receber em sua casa, alegando que o menino atraia o azar, um prenúncio de desgraça, sendo conhecido por El Diabo. O pintor, que vivia de forma abastada da sua arte, foi surdo aos rumores e criou-o como o filho que desejara, sendo a felicidade interrompida por… um incêndio que lhe destruiu o atelier e lhe queimou a fortuna. Reza a lenda que após o infortúnio, Bragolin deixou de conseguir vender os seus quadros, conhecendo o lado negro da miséria. Vagueou pelo mundo conduzido pelo adversidade, sem rumo nem destino, numa vivência miserável que o levou ao desespero: perdido, Bragolin terá feito um pacto com o Diabo, em que vende a sua alma em troco da venda de quadros. E foi bem sucedido: este quadro, em que o menino das lágrimas exibe o olhar de Gioconda, seguindo-nos…
Pergunta-me o bom leitor, qual o trato do pintor com o Diabo? Pois bem! Segundo rezam as crónicas, a pintura está plena de mensagens subliminares, encarna o mal e carrega consigo o infortúnio do autor, oferecendo desgraça àqueles que o possuem…

4 comentários:

  1. Ok. Acabei de telefonar á minha mãe a dizer-lhe que se desfizesse do quadro - tem em casa um igual!!!
    Bem a propósito: " No creo en brujas, pero...".
    PS - E fiquei surpreendida por ela ter acedido ao meu pedido! Lembro-me desta imagem em casa desde sempre...

    ResponderEliminar
  2. Anónimo20:10

    Sabe bem entrar aqui e ver que os quadros regressaram! Muito giro o texto! Melhor q o quadro!

    ResponderEliminar
  3. mau, mau..
    a minha avó tinha um tb..ñ sei se ainda tem.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo16:55

    bota esse quadro de cabeça pra baixo e verá claramente o menino sendo devorado por um lobo
    tem mais mensagens subliminares só q eu n mi lembro quais são,parece que issu dar azar na vida das pessoas mesmo,ja li gente falando que depois q mandou esse quadro pra .... q pariu problemas na vida se resolveram, mas tbm tem muita gente q inventa historia.

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!