sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Roubando textos a outros: Beja quase uma cidade. Revez no seu melhor estilo!

Antigamente era diferente. E não há muito tempo. Beja era uma aldeia, mais aldeia. Ponteada aqui e acolá com a nódoa do perfume burguês exalado nos fins-de-semana em Cascais ou no Estoril e que ficava agarrado à bota caneleira, juntamente com o cheiro das notas perdidas no casino e os odores misturados das putas. E como em todas as aldeias, as tribos sinalizavam a sua identidade na forma da silhueta e no espaço que remarcavam para se sentirem a pertencer a alguma coisa de familiar. A patilha comprida e a tal bota caneleira vestiam “Lois” no Barros, bebiam café no Luiz da Rocha e ostentavam o ócio nas intermináveis tardes de imperiais na Leitaria, recrutando aspirantes que faltavam às aulas no Liceu, e avistando os seus jipes lustrosamente mal estacionados. Não eram assim tantos e sabíamos onde paravam, com quem se davam, de que falavam. Nós sabíamos. Nós, os outros. Todos os outros, porque Beja era essencialmente composta por esta clivagem social, que era também um muito orgulhoso maniqueísmo provinciano. Eles, os “agrários”, que viviam nas belas vivendas dos anos 50 e 60 das avenidas novas da cidade, reaccionários e católicos, e nós, os “aldeões”, que nos acotovelávamos nas casinhas-miniatura do centro histórico da cidade ou nas casinhas de taipa e cal das aldeias vizinhas, e que ainda brincávamos às utopias e ao socialismo em versão catecista. Nós, que comprávamos cuecas e peúgas no mercado ali por detrás da Escola Industrial, e vestíamos “Loes” também no mercado, ou “Mako jeans” nos Armazéns da Cidade, e jogávamos snooker, bilhar e matraquilhos na Casa dos Arcos. E também muitos velhos, sempre houve, que pertenciam a tempo nenhum, e gozavam a miséria da velhice, reformados da escravidão, cansados, pendurados nos bancos ressonáveis do jardim público, cambaleados de vinho cantante nas tabernas, ou a disputar a sombra mexeriqueira nas Portas de Mértola. À noite existia o Clube dos Ricos, pequenos bares com motivos tauromáquicos e festas particulares para eles, e os bailes da pinha e os cafés atabernados para nós, e de quando em vez, envergonhadamente, as matinés de sexta na cave dos UFO´s, que acabavam antes da noite nos mandar para os dois canais de televisão. Havia ordem neste cosmos, cada um sabia o seu lugar, definido, definitivo e impermutável. Existia também inveja e rancor de muitos de “nós”, que copiávamos ou sonhávamos com o mundo “deles”, feito de risos gordos, copos, folia e despreocupação. Um mundo inalcançável, como o dos ricos nas telenovelas brasileiras, que acompanhávamos com fervor tão intenso quanto o futebol e seus folhetins e peripécias, exemplarmente documentados no imperdível “Domingo Desportivo”. Beja não era uma cidade. As cidades são democráticas, confluência efervescente de diversidades culturais e estéticas e intersecção de credos, convicções, rituais, costumes, e tipos humanos e sociais, numa experimentação dinâmica de comportamentos e atitudes que transgridem os códigos e as convenções. Beja não, era apenas de uma ruralidade mais polida, movimentada e abundante de tráfego comercial. Mas permanecia estagnada e sonolenta, já a lamentar-se de si e do seu fado incompreendido, fronteira nua com os barros de trigo e cevada, e com o horizonte despido que só servia para a fazer sentir mais desamparada. E “eles” e “nós”, com um muro de pequenez e sobranceria a dividir-nos, derrubado em socos nas noites de perdição.
Porém, dois acontecimentos trariam a democracia a Beja, já com o século XX a fechar-se para balanço. Duas instituições, democráticas. A Pandora e o Prisunic. A discoteca e o hipermercado. Uma e outra convocaram o azeite e a água a partilhar o mesmo caldeirão de forma indiferenciada, sem privilégios nem distinções, como iguais. Na discoteca moderna, ampla e eclética, acolhe-se a homogeneidade e a heterogeneidade e até se especializa o espaço dançável, com pistas de dança vocacionadas para épocas ou estilos musicais. A Pandora tinha isso tudo, era a festa da democracia em Beja. “Agrários” e seus derivados posteriores, “betos” e “queques”, conviviam e entrelaçavam-se com “aldeões”, “trolhas”, “broncos” e os recém-adoptados estudantes do ensino superior, que se disseminavam em múltiplos sub-estratos em função do curso. A sedução, a conquista e engate na discoteca Pandora, foram as verdadeiras experiências revolucionárias e progressistas da cidade de Beja. Derrubaram-se preconceitos e resistências morais e germinaram os primeiros casais e amantes interclassistas sem motivação financeira por estas bandas.
Mas a democracia estendeu-se da cumplicidade e torpores da noite para a luz do dia do consumo de tudo e mais alguma coisa; eis o templo pós-moderno: a grande superfície comercial. O hipermercado Prisunic concentrou-nos a “eles” e a “nós” num aconchegante e delirante carrinho de compras comum. O Prisunic tinha tudo, era tudo, e tinha-nos a todos lá, em inebriante consumo, em felicidade cortês na fila do fiambre e do queijo, em paciente simpatia na fila das caixas de pagamento.
O agrário barrigudo e folião que iniciara namoro com a maquilhada ajudante de cabeleireira, na curva insinuante dos slows terminais da Pandora, passeava agora de mão dada com ela pelo Prisunic, e ela encolhia-lhe os ombros na escolha do whisky. E Beja era quase uma cidade. E ficou quase uma cidade, até hoje.

15 comentários:

  1. um texto muito giro...

    ResponderEliminar
  2. Não conheço a Beja de que fala o texto. Não apanhei sequer a Pandora ou o Prisunic. Mas o texto está belíssimo! Muito bem roubado!

    ResponderEliminar
  3. Adorei o texto, mas discordo que beja seja quase uma cidade..não valeria a pena entrar em discussão do conceito cidade pois iria dar panos pa mangas. Mas por muitas das razões que já aqui expôs para amar beja e pelas muitas mais que ainda nao foram referidas, Beja é mesmo uma cidade, feita ao nosso ritmo, á nossa medida e que certamente continuara a crescer e melhorar com o contributo de todo nós.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo16:41

    Parabéns! está EXCELENTE!!
    Beja era/é assim mesmo, sem tirar nem pôr!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo16:47

    Apesar do tom caricaratural,Beja está muito bem retratada na década de 80, pós revolução. Quando as pessoas querem até debaixo das ondas saiem lagartos e santolas. M&M

    ResponderEliminar
  6. Que texto fantástico!!!! Que descrição fantática do foi e do que é a nossa cidade!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo17:52

    Muito interessante e muito bem retratado esse tempo. O curioso disto é que acabei de ler outro texto que serve de complemento deste (http://www.aliciante.eu/aliciante/archives/2867).
    Um bom fim-de-semana.

    António Ferreira

    ResponderEliminar
  8. Anónimo19:19

    Espectacular mesmo!!! Isso revela o que era antes Beja, e o que ainda é hoje! Eu não conheci esse tempo, pois sou doutra geração, mas conheço agora bem a cidade e as suas gentes e devo dizer que este texto revela-se como uma fotografia social da cidade na actualidade!!!

    ResponderEliminar
  9. Alex.M.22:07

    Texto excelente, de arrepiar!!!

    ResponderEliminar
  10. Anónimo23:32

    Sou um apreciador do método, da forma como ordena as suas ideias e da arte com que as sabe transmitir além da riqueza do vocabulário que tem sempre disponível. Aquele texto, por exemplo da Eutanásia é um tratado de seriedade, de rigor e de responsabilidade e naturalmente de coerência e de coragem para escreve aquilo que pensa.
    Mas extemsão do texto "Beja quase uma cidade2 Fez-me desconfiar e por ser mais velho observo a cidade há mais tempo e sem pôr em causa o conteúdo, com toda a imparcialidade ou justiça deveria o autor acrescantar aos agrários, o comerciante riquinho, o industrial, o novo ricoo especulador, o negociante, o construtor civil.
    Repare agora a quem pertencem os luxuosos jeeps mal estacionados.
    Garanto-lhe que não tenho nem aceitaria, qualquer procuração daqueles previligiados

    ResponderEliminar
  11. @anónimo - agradeço as suas palavras! No entanto esclareço que este texto não é de minha autoria, mas de António Revez!

    ResponderEliminar
  12. h,
    Um beijinho para ti.

    ResponderEliminar
  13. Fico sempre inquieto quando um gajo de madrugada me manda beijos!

    ResponderEliminar
  14. Eu ficaria de pé atrás H ...eheh

    AMRevez escrever é uma arte, uma inspiração, um dom ... para ti... apenas um talento natural.

    ResponderEliminar
  15. Great service, easy transaction, discreet packaging, product works as expected. I received 132 pills instead of 120 + 10. My package was opened by US Border Patrol. Confirmation email showed discounted price for buy viagra. I called the toll free and spoke to an service representatice in Mumbai India. She was very helpful and pleasant.
    FDA approved mens health medication viagra is not a drug to be taken lighliy you should read all about the pros and cons regarding the medication before you buy viagra! or if you would like just to read about Viagra you can visit this location!
    I will keep using it. Have had the most incredible experience using viagra. By that I mean that I am well into my 50s and it gave me that little extra something that I had lost. Thank you i will by more
    Online Pharmacy
    Buy Cialis Online

    viagra cheap

    viagra

    viagra alternative

    purchase viagra

    buy viagra

    buy viagra

    viagra

    viagra

    cialis online

    buy cialis

    cialis

    buy cialis


    adipex


    xanax online

    buy xanax


    vicodin online


    phentermine buy

    phentermine online

    buy phentermine

    buy phentermine

    buy phentermine



    buy valium

    buy valium

    valium


    buy ultram


    buy vicodin

    vicodin

    vicodin


    buy ambien


    hydrocodone


    vicodin without prescription
    vicodin no prescription
    buy viagra online
    xanax online
    buy xanax
    xanax onlien

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!