quarta-feira, novembro 26, 2008

PS - Beja

Paulo Arsénio não concorreu em Janeiro (eleições da concelhia) devido a "um movimento corporativo". Existiu "de facto um movimento, também ele corporativo, também ele organizado dentro do partido, no sentido de [passar a] bola (...) a outras pessoas".
Com efeito “as pessoas que estão nomeadas em lugares da Administração Central estavam na lista que se opunha à candidatura [de Paulo Arsénio, que percebe] estes sinais, não [sendo] ingénuo".
A campanha seria "uma campanha feia, para uma campanha suja, para uma campanha de insultos pessoais".

Estas não são palavras minhas (anónimo da semana passada com que "discuti" o tema): são palavras de Paulo Arsénio, ontem ao Conselho de Opinião.

PS - Por falar no Conselho de Opinião, pode ouvir aqui o programa sobre a Universidade Sénior de Beja, um excelente projecto, que mereceu da minha parte efusivos elogios ao Senhor Presidente da Câmara Municipal de Beja. Refira-se que os elogios foram feitos, antes de eu saber da possibilidade do Drº Francisco Santos ir integrar o Instituto Politécnico de Beja.

3 comentários:

  1. Anónimo15:02

    Por acaso, ando na expectativa para ouvir a sua opinião sobre a ida do Presidente da Camara para o Politécnico!

    ResponderEliminar
  2. ... “as pessoas que estão nomeadas em lugares da Administração Central estavam na lista que se opunha à candidatura [de Paulo Arsénio, que percebe] estes sinais, não [sendo] ingénuo", disse agora Paulo Arsénio.
    Pois é, parece que não não andei tão longe da realidade quando disse mais ou menos isso por outras palavras... Mas, enfim, são outras "guerras", que não as minhas...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo16:32

    LG, explique melhor este negócio que não se entende...M&M

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!