sexta-feira, agosto 20, 2010

Um post que tenta falar de Gadget


A expressão gadget é um pouco ambígua, porquanto se na sua génese este anglicanismo procurava definir os diversos dispositivos electrónicos que surgiram nos últimos anos, aqueles aparelhos maravilha que o Homem sobreviveu durante séculos sem os ter e hoje consideramo-los mais importantes que os nossos avós, hoje a expressão também aparece escrita como sinónimo de modernidade electrónica! Procurando simplificar a expressão anglo-saxónica gadget é aquilo que em latim se designa por paneleirices! Tenho para mim e desabafo com os botões das calças, que estes mal fadados gadgets são o espelho do pior da sociedade actual! E escrevo-o sem moralismo pacóvio ou transformado em pêga virgem: quando procura racionalizar na irracionalidade das minhas escolhas, reconheço que tenho um pc que não entendo, que foi caro que se farta e apenas comprei porque era bonito, tive mais telemóveis do que tenho coragem para assumir (embora o facto de existirem vendedoras giras, incremente o consumo), bem como outros bens absolutamente supérfluos que comprei sem nenhuma necessidade, razão ou motivo! E provavelmente antes que algumas pessoas tenham tempo para ler isto, já estarei a ponderar uma qualquer parva modernidadezinha! O problema destes gadget, mais do que a superficialidade que encerram é o facto de serem pseudo compensações para as frustrações quotidianas, que apenas as conseguem aumentar: porque o prazer da aquisição esgota-se horas depois de o começarmos a usar e na próxima semana vai estar no mercado um que consegue ser ainda melhor, com ainda mais funcionalidades, aquelas coisas maravilha que adoramos ter e depois não sabemos usar! Reforçando a construção de uma sociedade onde o ser é irrelevante, porque apenas o ter é pertinente...

21 comentários:

  1. A ultima frase deste post foi talvez a melhor de muitas boas que já escreveu :)

    ResponderEliminar
  2. Epá hoje esforçaste-te H e até parece que a coisa te saiu bem ( excepto a parte da pega virgem que ainda me has-de explicar isso pelas leis da matematica/logica). É uma realidade e eu acho que essa lei da compensação se encontra exacerbada nas senhoras embora näo tanto em briquedos electrónicos, mas também obtendo-se como resultado final uma descompensaçäo psico-económica, já que é do conhecimento profundo do utilizdor de paneleirices compulsivo que o ser é superior em tudo ao ter, :), uma boa noite H e o pior que te desejo é sonhares com a menina dos telemóveis ;)

    ResponderEliminar
  3. Anónimo02:16

    Pois em minha opinião o gadget é apenas mais um exemplo deste funil que construímos em que a única coisa que se valoriza é o consumo, a rapidez, o empreendedorismo, a reciclagem ( e não me refiro aos materiais), a juventude, a imagem, etc, etc....
    Quem vier atrás que feche a porta. Se ainda houver porta para fechar.

    ResponderEliminar
  4. ó Huguinho, ao ler esta tua interpretação, sinto-me ainda mais feliz. E "não descompensada"! Eheheh
    Nunca comprei um telemóvel - os pouco que possui, foram-me oferecidos. O mesmo em relação ao PC. Shopings aborrecem-me deveras, assim como hipermercados e afins. E irrita-me o consumismo desmedido. Para não falar das modernidades de que falas - área em que sou uma completa ignorante!
    O meu colega de quarto diz que eu sou uma "gaja" atípica. eheheh

    ResponderEliminar
  5. http://www.briefing.pt/content/view/6089/28/

    ResponderEliminar
  6. Obrigado LOu - Confesso que tinha algum receio! A meio do post parei e em regra, estas paragens roubam coerência e sentido À escrita!

    ResponderEliminar
  7. Obrigado, Margarida!

    ResponderEliminar
  8. A mim é o sono que faz isso :), muito interessante o artigo, o livro deve ter conclusöes engracadas, a ler com alguma calma a meu ver

    ResponderEliminar
  9. Vera Ribeiro14:17

    Hugo, nunca pensas.te em ser jornalista? :)

    ResponderEliminar
  10. Olha que era uma ideia a ponderar Hugo, jeito tens sem dúvida...

    ResponderEliminar
  11. Vera - Houve um momento que sim! Talvez por isso insista nas crónicas para o jornal e para a rádio! Mas a porcaria das aulas são um vício terrível...

    ResponderEliminar
  12. Lou - Por acaso, esta semana fizeram-me um desafio giro! Para ponderar uns dias, mas.. pode haver uma novidade para meio de Setembro!

    ResponderEliminar
  13. Vera Ribeiro14:44

    Não sabia das crónicas, fazes bem aproveitar essa veia de escritor..:)

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  15. Zig - não faço ideia do que significa! O meu alemão ainda é pior que o meu coito!

    ResponderEliminar
  16. Selbsterkenntnis ist der Beste Weg zur Besserung!

    Se não conseguires traduzir avisa :))

    E sim, é um excelente texto, um texto que talvez explique a razão do tão desfavoravel balanço comercial português!

    Sorry por ter apagado o 1º comentário, esqueci-me da subscrição para o mail

    Vou acabar agora de comentar aqui por hoje, o meu PC está extremamente lento e não há €'s para comprar um novo...ninguém empresta a uma pessoa como eu esses €'s, e, se fosse trabalhador por conta doutrem certamente já tinha um novo, e um crédito de carro, de casa, de outros consumos, etc...etc...etc!

    ResponderEliminar
  17. LOL

    foste mais rápido do que o meu "apaganço"...

    Quer dizer que descobrir os próprios defeitos é o melhor caminho para um melhoramento :))

    ResponderEliminar
  18. Gostei da frase Zig! Subscrevo-a integralmente e sei que preciso percorrer esse caminho!

    ResponderEliminar
  19. H, se me permite...

    Zig:sehr gute Phrase!

    ;)

    ResponderEliminar
  20. Eu permito! Não entendo, mas permito!

    ResponderEliminar
  21. Não se preocupe! Não digo parvoices em alemão, esses , normalmente são sempre em portugues:))

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!