sábado, junho 26, 2010

Quase tão deslumbrante como o deslumbramento...

Eu tenho um hábito parvo. Aliás, eu tenho inúmeros hábitos imensamente parvos, mas não os posso confessar todos! Partilho hoje o mania tonta de dar longos passeios de carro, pelos arrabaldes da cidade: preferencialmente ao início da noite, quando o lusco fusco se esfuma no oriente, quando o céu nos oferece cores únicas, perdendo-me em estradas sem destino, procurando o que sei onde encontrar! Ou simplesmente fumar um cigarro, perder-me numa música lamechas e ver a noite: porque há noites, como a de ontem e a de hoje, que nos dedicam uma lua mais deslumbrante que qualquer deslumbramento, recordando-nos a simplicidade das coisas realmente pertinentes. Ou ridicularizando-nos com a beleza da lua, esmagando-nos com a força das memórias...

4 comentários:

  1. Não acho que seja um hábito parvo...

    ResponderEliminar
  2. Pedro23:46

    Já fiz isso algumas vezes. Sabe bem... e faz bem quando temos a cabeça 'cheia'.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo06:05

    Tb o faço mas nunca, por nunca ser, ao som d músicas lamexas... AC

    ResponderEliminar
  4. Não é um mau hábito mas infelizmente é um hábito que vamos perdendo com a falta de tempo para nós próprios. o Homem é um ser social mas precisa de estar só consigo próprio e esses passeios fazem bem à alma.

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!