sexta-feira, março 27, 2009

Os equipamentos municipais da cidade de Beja

Os mais emblemáticos equipamentos sociais da cidade de Beja estão doentes e, se alguns ainda podem aspirar por uma operação miraculosa, outros desde há anos que aguardam eutanásia, de modo a partirem em dignidade, poupando-lhes o sofrimento da morte lenta e dolorosa que temos assistido ao longo dos últimos anos.
Por estes dias, regressei ao Mercado Municipal de Beja e foi com nostalgia recordei a glória do passado, quando na minha meninice acompanhava o meu pai, percorrendo a azáfama dos corredores, onde a melhor fruta namorava o bom queijo e pão, bolinhos ainda quentes, os talhantes na época endinheirados, a zona do peixe fresco! Confesso que me chocou a degradação, o desprezo e a tristeza que encontrei naquele inóspito espaço, esquecido pelos poderes regionais, abandonado pelos munícipes! Desci e passei perto da Biblioteca Municipal que vítima do seu próprio sucesso, é hoje demasiado acanhada para a dinâmica que soube construir, apesar do recente desinvestimento. Olhei de fora a chamada Casa da Cultura, edifício construído com boas intenções mas com um resultado trágico: a sala de espectáculos sempre foi demasiado má, com péssima acústica e inadmissivelmente fria no Inverno, tornando-se um espaço inóspito, que expulsa os espectadores e os convida a ficarem em casa; do lado exterior do edifício, algo que nunca chegou a ser coisa nenhuma, um verdadeiro elefante branco que raramente chegou a ser utilizado, porque a sua finalidade sempre foi coisa nenhuma. Nos recantos da Casa da Cultura podemos encontrar algumas associações e iniciativas com um interessante desiderato, mas tristes ao serem fechadas em locais sem a menor dignidade, castrando algumas iniciativas que poderiam surgir.
Porque a Primavera chegou com calor, dou um pulo à piscina municipal; apesar de fechada, certifico-me que as autoridades estão ocupadas a multar veículos em qualquer outro local e dou um salto pelo pequeno portão e olho com tristeza que a piscina me recorda um velho relógio abandonado, perdido num tempo passado, sem que os seus responsáveis a tenham conseguido adaptar às necessidades do século XXI. Questiono-me como um espaço daquela dimensão, localizado numa das zonas mais nobres da cidade, seja roubado à cidade por longos dez meses, para que no Verão, quase sempre tarde e a horas tardias, permita alguns sorrisos aos munícipes mais petizes.
Regresso à rua e fico indeciso se viro para a esquerda ou para a direita; se vou regressar ao velhinho “gimnodesportivo” do qual carrego tantas memórias, de tantas e tantas manhas e tardes – quer no velho piso de tacos, quer nas traseiras do pavilhão -, a gritar por obras de remodelação, impotente de responder às necessidades dos clubes locais ou se vou mais longe até ao Estádio Flávio dos Santos, verdadeiras ruínas de um esplendor que se apagou no tempo, quando a insensibilidade de alguns fez com que o desporto que chamam rei se deslocalizasse para a zona da mata – foi com esta a decisão que se começou que se começou a escrever o fim do Desportivo de Beja -, vetando ao mais triste abandono o velhinho estádio, que temo, seja hoje, um doente terminal de recuperação impossível! Ligeiramente diferente do seu vizinho Parque de Campismo, que desde há muito reclama por uma decisão: ou se mantém no mesmo local e faz-se um investimento que lhe confira dignidade ou encerre-se o mesmo e pondere-se o que fazer com os seus terrenos!
No ano de todas as eleições, exige-se aos candidatos que tomem posição sobre os equipamentos municipais da cidade; porque a morte lenta destes equipamentos carrega consigo parte da nossa história colectiva, mais um pouco da cidade que desaparece.
Mas encontrar uma solução para estes locais, não deve nem pode fazer parte do jogo eleitoral: a cidade não é dos partidos mas dos munícipes e são estes e apenas estes que devem tomar uma decisão sobre os espaços que são de nós todos. Mais interessante que nos prometerem resolver os problemas destes espaços, mais pertinente que escreverem nos programas eleitorais soluções para revitalizar estes espaços – ou dentro destes, os que ainda se podem salvar – seria conseguir encontrar em diálogo com os bejenses construir um caminho para estes espaços, devolver-lhes a dignidade perdida.
Pessoalmente não tenho duvidas do que gostava; começar agora um verdadeiro debate público sobre estes espaços, construir alternativas e depois dar a palavra aos munícipes: um referendo no mesmo dia que as eleições autárquicas sobre o futuro destes espaços, seria um passo importante para devolver a cidade aos bejenses.
Post Scriptum: Declaração de Interesses: na semana passada fui apresentado como um dos Coordenadores dos Grupos de Trabalho da candidatura de Jorge Pulido Valente. Bem ou mal, agi de acordo com aquilo que me ditou a consciência. E é por imperativos de consciência que informo desse facto os meus leitores: apesar de continuar a ser independente e das minhas ideias e convicções apenas me responsabilizarem a mim, reconheço que posso gerar cepticismo a quem me lê. Porque não gosto de equívocos, os leitores ficam o conhecer este facto e farão o juízo que entenderem sobre as minhas crónicas no CorreioAlentejo!


12 comentários:

  1. Caro amigo, sabes bem que gosto muito de ler o que estás a escrever aqui e no CA! Mas, já pareces o "outro", sempre a reclamar por mais e mais! E os €? Alguém os arranja para tanta obra que tu aqui reclamas? Será que exista alguém com uma varinha mágica que relolve de uma assentada todos esse problemas? Duvido muito...

    ResponderEliminar
  2. Meu caro H:

    Creio que toca no fundamental.
    Que equipamentos e para quê.
    Quando se programaram esses espaços, o mundo era outro.
    Eu não acredito em lazeres de papo para o ar a ver o tempo passar.
    Acredito em Albergues de juventude, dimensionados para a cidade (que possam ser utilizados em períodos de aulas como residências estudantis) com materiais simples e facilmente substituíveis e equipamentos básicos (lavandaria, ...).
    E acredito em Turismo Cultural com programas diversificados: Visitas a minas abandonadas, em que se conte o seu historial, a Sines, ao que de romano por aí ficou..., a organizações agrícolas - vinho, azeite, trigo - para portugueses e estrangeiros, com HIStÓRIA.
    História é o mais importante.
    Uma boa história suporta uma ruína melhor que uma grande obra suporta uma má história.
    Eu sou dos que acredito que no século XXI o que se venderá bem são emoções e que estas pouco dependem da qualidade dos equipamentos.
    O melhor Equipamento, é a qualidade das pessoas.

    O LAZER já foi! Qualquer dia paga-se para FAZER!

    Um abraço e os desejos sinceros que possa contribuir para pôr um tijolo que seja nessa parede.

    ResponderEliminar
  3. Zig - começo por frisar a estima que te tenho. Sabes bem que te acho alguem de imensa integridade, um grande Alentejano que, por mero acaso, nasceu na Alemanha!
    Dito isto... vou responder!
    Respeitosamente discordo; desde logo, porque estas preocupações não são novas e desde há anos que chamo a atenção para isto!
    Mais. Claro que agora é muito caro recuperar os equipamentos que cito: mas a questão é como se deixou chegar a esta degradação. Em 30 anos apenas se construiu uma pequena Piscina coberta! Se ao longo dos anos se têm feito pequenos investimentos, as coisas não tinham chegado a este ponto!
    Mais. Quanto custa ceder a exploração do restaurante da piscina a empresários com capacidade para optimizar o espaço? Nada. E gera receitas!
    Porque colocar relva em outros campos, quando se podia ter feito isso no Flávio dos Santos?!!
    Mas.. o cerne da minha crónica é outro: o que defendi - e isso apenas me obriga a mim, não ao candidato que publicamente apoio - é que a decisão sobre o futuro desses espaços não fosse tomada num gabinete, mas em diálogo com os munícipes. O que não custa dinheiro! E representa um diferente estilo de governação!

    ResponderEliminar
  4. @capitão - Todos estes equipamentos são do tempo de Marcello CAetano! E quando tudo muda, nada pode ficar na mesma!
    Quando defendi que o Mercado Municipal não tinha razão de ser - uma ideia apenas minha e minoritária - muitos me criticaram!
    O mesmo com outros equipamentos; durante anos foram um exclusivo dos clubes, mais a serviços os interesses destes que dos cidadãos em geral. E não deve haver pudor em discutir estas questões.
    A questão de não lazer mas sim fazer é bastante pertinente! Obrigado!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo17:52

    Excepcional! Digo-lhe que tive pena que não seja o cabeça de lista do PSD. Garantiram-me que ia ser e fiquei triste por constatar que não!

    ResponderEliminar
  6. Sorry H, escrevi este post um pouco por cima do joelho!

    Tens uma certa razão, mas não toda, claro. Cada um desses edifícios, ou equipamentos municipais, tem a sua história, ou seja, o seu passado e presente. Foram construidos há muitas décadas e foram ficando, uns com muita utilidade, outros nem por isso.

    Sobre cada um desses edifícios tenho a minha opinião própria, e, e fica aqui o desafio, gostaria que tu abrisses aqui uma espécie de forum sobre cada um deles. Terei todo o gosto em comentar cada um dos post's sobre essa matéria.

    ResponderEliminar
  7. Sorry, mais uma vez - obrigado pelos elogios :))

    ResponderEliminar
  8. Anónimo10:09

    Eu só gostava de saber daqui a algum tempo quem paga a conservação desses equipamentos agora reclamados.
    E se nos lembrarmos que as verbas transferidas para as autarquias vão diminuir......
    Gostava de o ver, um dia, a gerir uma autarquia, para ver se o discurso seria igual, pois fazer de Francisco Louçâ, é o mais fácil...
    Falam, falam, falam, e não os vejo a fazer nada.....
    É tão bom ser oposição, com todas as formulas mágicas para resolver os problemas.....

    ResponderEliminar
  9. @anónimo - leu o que escrevi?

    ResponderEliminar
  10. Zig - não são elogios: são actos de justiça!
    Sobre a proposta.. irei fazê-lo durante os próximos meses, não apenas no blogue..

    ResponderEliminar
  11. Pronto, um elogio justiceiro, hehehe!

    Vou acompanhar essas tuas intervenções, e, naturalmente, só aqui no teu blogue...;)

    ResponderEliminar
  12. Great service, easy transaction, discreet packaging, product works as expected. I received 132 pills instead of 120 + 10. My package was opened by US Border Patrol. Confirmation email showed discounted price for buy viagra. I called the toll free and spoke to an service representatice in Mumbai India. She was very helpful and pleasant.
    FDA approved mens health medication viagra is not a drug to be taken lighliy you should read all about the pros and cons regarding the medication before you buy viagra! or if you would like just to read about Viagra you can visit this location!
    I will keep using it. Have had the most incredible experience using viagra. By that I mean that I am well into my 50s and it gave me that little extra something that I had lost. Thank you i will by more
    Online Pharmacy
    Buy Cialis Online

    viagra cheap

    viagra

    viagra alternative

    purchase viagra

    buy viagra

    buy viagra

    viagra

    viagra

    cialis online

    buy cialis

    cialis

    buy cialis


    adipex


    xanax online

    buy xanax


    vicodin online


    phentermine buy

    phentermine online

    buy phentermine

    buy phentermine

    buy phentermine



    buy valium

    buy valium

    valium


    buy ultram


    buy vicodin

    vicodin

    vicodin


    buy ambien


    hydrocodone


    vicodin without prescription
    vicodin no prescription
    buy viagra online
    xanax online
    buy xanax
    xanax onlien

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!