sexta-feira, junho 27, 2008

A oferta cultural bejense...


São recorrentes as vozes que se queixam da actividade cultural na cidade de Beja. Amiúde também a minha voz fez coro com essas, deixando escapar lamentos sobre a qualidade e a diversidade da oferta, insinuando falhas na divulgação dos eventos.

Durante anos a cidade viveu sem espaços dignos para a realização de eventos culturais: do ponto de vista arquitectónico a casa que chamam de Cultura foi sobrevivendo sem oferecer as menores condições de dignidade e, por uma década, o esforçado Capricho era o único local para os desalentados cinéfilos matarem o vício de assistir a um filme na tela.

Durante anos somaram-se erradas politicas culturais, repartindo-se culpas entre a governação nacional e regional, uma caricatura de educação, avultados subsídios distribuídos sempre pelos mesmos, para fazerem sempre a mesmíssima coisa, quase sempre sem o menor respeito pelo público, esses ingratos que nunca souberem apreciar a arte, arte da verdadeira, só compreendida pelos verdadeiros artistas!

Mas serão estas as razoes responsáveis para o queixume da falta de espectáculos no concelho e cidade de Beja?

Entendo que provavelmente não! O principal responsável das debilidades na nossa oferta cultural é o bejense, excelso na arte da crítica, sublime dono do comando à distância, excepcional na arte de ficar com o traseiro refastelado no sofá!

O Pax-Julia celebrou recentemente o seu terceiro aniversário da nova era, sendo que, desde esse momento, Beja voltou a ter uma sala de espectáculos digna do que acontece em qualquer cidade que não se envergonha de ser capital. Com reparos e frontalmente assumi as minhas divergências, não custa reconhecer que existe um esforço para existir uma oferta diversificada, desde o cinema ao teatro, da dança à musica um ou outro colóquio e mesmo algumas exposições. Nem sempre da melhor qualidade é certo, mas, é igualmente certo, que mesmo espectáculos de inegável valor esbarraram na crua indiferença do público, audaz no queixume mas alheio a tudo o mais que o afasta do seu sofá e lhe é indiferente ao umbigo do consumismo.

Quando muitos reclamam mais cultura, frequentar espaços vazios, faz-me crer que Beja tem muito mais cultura que a cidade merece. E se sentimos necessidade de procurar culpados, o espelho lá de casa será um bom inicio….

9 comentários:

  1. A cultura em Beja já viveu dias muito piores do que agora. Posso mesmo afirmar que a cultura oferecida em Beja hoje é melhor do que nunca! Claro, há sempre aqueles saudosistas que dizem: no meu tempo é que era! Mas, e faço esta pergunta aos entendidos na matéria, é , ou não é verdade que há muita cultura em Beja? E, também devo dizer, há publico, sim senhor! Naturalmente que não se possa esperar que todos os espectáculos tenham casa cheia, longe disso, mas aparecem em razoável número.

    Portanto, caro amigo H, nisso tenho que discordar contigo! Claro que há pessoas que não levantam o dito do sofá e não largam o telecomando, mas o público bejense existe e é cada vez em maior número. Com o tempo vamos lá, é preciso ser optimista!

    No caso dos subsídios, também tenho que discordar contigo. Porque, sem ovos, não há omeletes. Sem €, não há produções! Que se goste destas produções, ou não, já é outra questão! Porque gostos não se discutem...

    ResponderEliminar
  2. Concordo com a cronica de opiniao ... na totalidade.
    Em relação ao Cine-Teatro Pax Julia, o orçamento que dispõem não é extenso quanto seria desejável, e sendo assim tem que haver um esforço e uma "ginástica" no sentido de proporcionar diferentes espectáculos para os diferentes públicos.
    Já assisti a óptimos concertos (Blind Zero..) ou espectáculos de dança (Olga Roriz...) que nem meia casa tinham, pelo contrário numa das comemorações do 25 de abril com um artista de música ligeira que agora não me recordo qual, encheu completamente e muita gente ficou sem conseguir entrar.
    E estes são os reflexos da genética ou das ideologias dos habitantes aqui da nossa cidade.
    Existem as produções para o público geral, e existem produções para as minorias, para público específico. Mas o público também se educa e se molda...com o tempo claro, pois todas as mudanças levam obrigatoriamente o seu tempo.

    ResponderEliminar
  3. concordo plenamente com o que se diz. Eu que assisti a diversos espectaculos no Pax Julia, teatro, concertos, filmes. reparei que, as pessoas ou não são de cá e estão autocarros parados a porta, ou então somos quase sempre, mais ou menos os mesmos...

    de aldeias e de outros locais surgem excursões de pessoas idosas para assistir as peças mais variadas...

    Alguém me sabe dizer... onde andam e o que fazem... os Idosos de Beja??

    É que se alguém disser que estão em casa com os netos... Ok... mas... para os pais sairem os copos? Sim... porque o que parece é que é "bem" sair para bares e discos! mas Pax Julia não, pudera... as pessoas q la estão não comentam quem foi e quem nao foi!

    ResponderEliminar
  4. Daí que seja pertinente o PaxJulia repensar formas de auto-financiamento!

    ResponderEliminar
  5. Do outro extremo do pais a mesma realidade.
    É difícil concorrer com a TV quando se trabalham quase 8h por dia e se tem uma casa para cuidar!
    Para quando o fim do dia de trabalho para as 16h?
    Talvez aí haja tempo para sair depois do trabalho!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo12:43

    Como constante visitante da cidade de Beja (leia-se, universitária) acho que Beja tem uma oferta cultural muitissimo boa, assim como a divulgação! Isto, é claro, comparativamente com outras cidades em que as coisas acontecem sem as pessoas saberem ou darem conta.
    Uma das coisas que sempre gostei em Beja foi exactamente a sua diversidade cultural. Parece-me antes que as pessoas é que não estão interessadas em saber o que se passa e em participar, o que é de lamentar.

    ResponderEliminar
  7. papapedras19:12

    os cartazes por vezes n sao maus...mas para k apareça uma coisa boa tem k ser trazida de fora...isto é...temos grupos k entre outras coisas fazem teatro ca pelo burgo
    mas entendamos teatro como algo cultural...e nao as vergonhosas peças k teem sido apresentadas....vale a pena contribuir monetariamente com subsideos para essas pessoas???euros e mais euros para teram meia duzia de pessoas na plateia???
    apoio e apoiarei quem financia essa gente...nao mostram trabalho nem progresso em cativar o publiko..o subsidio é cortado....
    sabem de kem falo...

    ResponderEliminar
  8. Anónimo20:06

    "h", pela primeira vez concordo em absoluto consigo.Certeiro.Oportuno.Isento.Aquilo que se espera de uma pessoa séria.Parabéns. Y

    ResponderEliminar
  9. papapedres:

    Não sei de quem você fala, mas há quem apresente trabalhos, quase sempre de casa cheia e - estão com os subsídios cortados, pelo menos em parte...

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!