terça-feira, março 03, 2009

Cavaco veta lei da chamada pluralidade


Subscrevo e aplaudo a decisão! Desde sempre defendi a privatização do Diário do Alentejo (veja-se o que aqui escrevi), mas esta lei era absurda, porquanto pensada para chatear Alberto João Jardim, esqueceu-se dos órgãos de comunicação social dependentes do poder central (como aqui sublinhei).
Por agora, o Diário do Alentejo está "salvo", pelo que fica a questão: será que o mais representativo jornal da região vai utilizar o bónus presidencial para mostrar independência ou vai continuar a portar-se como o Diário Oficial do Partido?
O tempo dirá!

8 comentários:

  1. Anónimo01:04

    Pois é, meu caro, no último paragrafo do seu post é que está a grande questão. Serão capazes da Libertação? Parece~me que ainda não.

    ResponderEliminar
  2. Fairwind01:15

    Já foi pior, muito pior... e sei do que falo com conhecimento de causa, até ao nível de "jobs for the boys" deles lá, por isso é que a nível regional nunca tiveram moral para acusar principalmente o P.S. do mesmo, agora anda muito melhor mesmo assim...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo02:16

    Fairwind

    Desde k li num editorial do DA o Exmo. Sr. Director defender incumprimento dos direitos humanos no Tibete, com base no argumento que essa grande nação salvou os tibetanos de um grupo elitista e burgês, esse jornal perdeu toda a credibilidade...
    Se foi pior, não sei... Se nessa edição bateu baixo, isso tenho eu a certeza...

    Abdul, o mouro

    ResponderEliminar
  4. Anónimo18:08

    O que fazer para dar volta a isso?
    O conselho pode chegar aos ouvidos de quem precisa desse conselho.
    Diga lá Professor!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo18:09

    O que fazer para dar volta a isso?
    O conselho pode chegar aos ouvidos de quem precisa desse conselho.
    Diga lá Professor!

    ResponderEliminar
  6. O Conselho é simples: mais independência e uma Direcção eleita de forma diferente!

    ResponderEliminar
  7. H: Esta lei foi promovida com o objectivo de regulamentar e limitar a concentração de órgãos de comunicação social em grandes grupos económicos, e também, garantir modelos de pluralismo e de isenção no sector, contribuindo para isso proibir a propriedade por parte de autarquias e outros organismos públicos de órgãos de CS. O que convenhamos constitui uma promiscuídade entre eleitos e um sector cuja imparcialidade é condição para uma informação transparente e objectiva.

    ResponderEliminar
  8. É verdade que estou cada vez mais idiota mas, com o devido desconto pela idiotice, qual é a substancial diferença entre um jornal ser propriedade de uma associação de municípios (cujo conselho directivo resulta dos resultados eleitorais) e uma estação de televisão e de rádio serem "propriedade" do governo, através de uma conselho de administração nomeado por ele?...

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!