quarta-feira, janeiro 28, 2009

100 razões para amar Beja - 19

Uma das razões para amar Beja é o rio. Deixada a frase assim escrita, a esmagadora maioria dos leitores será tentado a pensar que ensandeci definitivamente, que vejo água onde apenas corre o barro. Mas ofereço-vos hoje uma húmida razão para apreciar a nossa cidade, banhada pelo Rio Guadiana, que corre no nosso concelho, razão que justifica esta minha aparentemente estranha escolha.
Infelizmente o amor entre a cidade e o rio tem sido desprezado pelos homens, curioso paradoxo de um país de marinheiros que passa séculos divorciado dos mares. Mas amar algo ou alguém é esquecer os defeitos – ou amar os defeitos, porque são estes que nos dão individualidade e nos tornam únicos – e ter a capacidade para ver mais longe que os limites curtos, sonhar para além do horizonte, conseguir ver o que ainda não está lá, mas só depende de nós construir. Amo uma cidade que tem um rio a sete quilómetros, que apenas precisa de uma pequena estrada e alguns infra-estruturas que nos permitam usufruir o rio grande do sul, um café debruçado sobre as águas para ler um bom livro, petizes a correr nas margens dentro de um parque infantil abrigado, pescadores ao longe, desportos náuticos que ofereçam o azul ao amarelo esverdeado dos campos.
Porque Beja é uma cidade onde se juntam os opostos, onde os contraste se atraem numa idiossincrasia especial, onde comungam dispares afluentes num leito que se vai construindo, num caminho que podemos escolher. A escolha desta noite é um caminho que nos leve ao rio, que nos possa conduzir ao mar…

7 comentários:

  1. Anónimo00:38

    Sem dúvida uma grande verdade... se este rio estivesse noutro país, noutra cidade, onde as mentalidades fossem outras, as suas margens teriam vida...por enquanto...esperemos sentados

    ResponderEliminar
  2. Piruças09:20

    O rio Guadiana faz parte das recordações da minha infância.Era maravilhoso acampar naqueles moinhos abandonados, ía a familia em peso. Lembro-me do meu avô lançar as redes naquelas águas, peixinho do bom que se abanava preso nas suas malhas, que iria ser cozinhado pelo próprio pescador.Estou a falar de um "caldo de peixe" que só o meu avô sabia confeccionar.E o que eu gostava de me banhar naquele rio...e saltar de pedra em pedra e de vez em quando cair belas cuzadas.Lembranças que ficam, Recordações de gente pobre , mas ricas na sua essência!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo10:43

    se fala do rio deveria também vir a referir a praia da messejana ;)

    jh

    ResponderEliminar
  4. @jh - agora vou cala-lo: eu já estive na praia da Messejana! (tentar apanhar a foto para lhe mandar!)

    ResponderEliminar
  5. Anónimo00:52

    Há pessoas que parece não quererem ver a TRISTE REALIDADE de Beja actualmente!

    Por mais que se tente dourar a pílula, seguindo / apoiando o "discurso oficial" de propaganda da Autarquia, Beja é actualmente uma cidade(?)moribunda, suja, pouco atractiva, etc. etc.

    Tem "potencial" para ter uma excelente "qualidade de vida?! Claro que sim mas muita coisa teria de mudar por aí: uma volta de 360 graus como dizia o outro.

    ResponderEliminar
  6. @anónimo que abomina Beja - têm me chamado de quase tudo nos últimos anos: mas seguir o discurso oficial da autarquia... é a primeira vez! Um verdadeiro inédito!

    ResponderEliminar
  7. You these things, I have read twice, for me, this is a relatively rare phenomenon!
    handmade jewelry

    ResponderEliminar

Respeite as opiniões contrárias! Se todos tivéssemos o mesmo gosto, andávamos todos atrás da sua namorada! Ou numa noite de copos, a perseguir a sua mulher!